domingo, 31 de janeiro de 2016

Resenha | AZUL DA COR DO MAR (Marina Carvalho)

Azul da Cor do MarACASO, DESTINO ou LOUCURA? No caso de Rafaela, Pode ser tudo isso junto. Para alguém como ela, nada é impossível.

Rafaela sonha desde a adolescência com o garoto que viu uma vez, perto do mar, carregando uma mochila xadrez... A idéia fixa não a impediu, porém, de ser uma menina alegre e muito decidida.
Ela quer ser jornalista, e seu sonho está se concretizando: Rafaela Vilas Boas (um nome tão imponente para alguém tão desajeitado) conseguiu um estágio no melhor jornal de Minas Gerais. Mas, como estamos falando de Rafa, alguma coisa tinha que dar errado. O jornal é mesmo incrível, mas seu colega de trabalho, Bernardo, não é a pessoa mais simpática do Mundo.


Em meio a reportagens arriscadas – e alguns tropeços -, Bernardo acaba percebendo, contra a sua vontade, que Rafaela leva jeito para a coisa... E que eles formam uma dupla de tirar o fôlego.


Mas e a mochila? E o garoto, o envelope, as cartas? Um dia a estabanada Rafaela vai ter que se libertar dessa obsessão.


EDITORA NOVO CONCEITO (SELO NOVAS PÁGINAS) | 334 PÁGINAS

O nacional "Azul da cor do mar" é um romance leve e divertido que vai contar a história da Rafaela Vilas Boas, ou só Rafa.

Durante dez anos, a garota cultiva um amor que nunca chegou a se concretizar. Isso porque quando ela tinha entre os seus dez/onze anos de idade, durante as férias em Iriri (Espírito Santo) ela viu um garoto na beira do mar de olhos azuis e uma mochila xadrez, desde então ela nunca esqueceu aqueles olhos acompanhados da estampa. Durante dez anos, Rafa sempre escreveu no seu caderno sobre o tal rapaz, mas a vida continua e agora quase formada em jornalismo, ela se vê diante do maior jornal de Minas para uma entrevista de estágio.

Dentro do lugar, ela vai conhecer o Marcelo e o Bernardo, dois homens que vão entrar na sua vida de alguma forma, sendo o último seu supervisor de estágio e que adora implicar com ela. (Ok, isso ficou clichê. Mas o desenrolar da história é bem executado e o final é interessante.).



A autora, Marina Carvalho, é formada em jornalismo e isso colaborou para um enredo mais real, (já que a protagonista está se formando em jornalismo) ela trouxe muito da rotina de um jornal para a história e o foco "jornalismo investigativo" (que a protagonista adora) trouxe cenas mais divertidas e com mais ação, fora isso, seria um livro muito "mamão com açúcar", no entanto, a seriedade que esse trabalho exige somado com o jeito desajeitado da protagonista trouxe um certo humor para a história, além de mostrar que a autora acertou no tom... Nada muito exagerado e nem parado demais.

Tá certo... Agora onde o tal garoto da mochila xadrez se encaixa nessa história? Dentre tantos rapazes na sua agitada vida, será que a Rafa vai encontrar o cara que não sai da sua cabeça?

Em linhas gerais, o livro não traz nada muito novo ou emocionante, mas a leitura é válida (principalmente para os (as) apaixonados (as) incorrigíveis). A escrita é fluida e espontânea, além de nos apresentar um romance leve e divertido.

segunda-feira, 18 de janeiro de 2016

Resenha | COMO EU ERA ANTES DE VOCÊ (Jojo Moyes)





Vem aí: Como eu era antes desse livro.

Hoje resolvi fazer uma resenha diferente. Na verdade não vou nem chamar de resenha, chega a ser mais uma conversa. Uma conversa entre nós, leitores.

Acredito que não faz muito sentido falar demais da história aqui, por diversos motivos, já é uma história conhecida e mesmo que você não saiba do que se trata, sugiro pegar o livro sem conhecimento nenhum sobre ele e se deixar levar pelas emoções.

Como posso iniciar a nossa "conversa" sobre "Como eu era antes de você"? Eu pensava que seria uma história extremamente triste. Grande engano o meu. Não chorei, mas dizer que não me emocionei com a história da Lou e do Will, seria um grande absurdo da minha parte.

A Jojo Moyes me mostrou uma narrativa leve e eu diria que é até divertida, considerando com o que estamos lidando. A ternura e sinceridade com que a história foi contada e o amadurecimento dos personagens me preparou para o final. 

Foi por essa capacidade de aquecer nosso coração com tanta delicadeza que eu me apaixonei pela escrita da autora.

Só posso dizer que me senti dentro do livro também.



Não bastasse me apaixonar pela escrita impecável da autora, ela também me apeguei aos personagens. Sei que eu nunca vou aprender, mas lá pelo meio do livro eu já queria abraçar a Lou e o Will. Bom trabalho, Jojo!

A Lou e o Will foram um dos personagens mais humanos que eu pude ter a chance de conhecer através de um livro, são nobres, puros e com um bom coração. Acredite, um livro pode te ensinar muito mais do que você imagina. Lou nunca teve uma vida com grandes ambições, trabalhava em um café, mas quando ela é demitida, logo é admitida como uma cuidadora. Quando ela conhece Will e o propósito de estar ali, nunca pensou em desistir. Pelo contrário, ela ficou e fez o seu melhor.

"Como eu era antes de você", não é só um romance, é mais que isso. É uma grande questão sobre como a gente vive e vale muito a pena essa reflexão. É admirável.

Não tenho muito o que dizer do livro, não tenho palavras para descrevê-lo. Só posso recomendar a leitura dele e dizer que fiquei muito feliz e satisfeita por finalmente lê-lo.

Até logo, Lou e Will, nos vemos no cinema! (E sim, dessa vez vai ter chororô viu).

sábado, 16 de janeiro de 2016

Resenha | TRILOGIA O TESTE (Joelle Charbonneau)

Lembram quando postei a resenha da Saga Encantadas aqui? Farei o mesmo com a trilogia O Teste, os três livros em um só post, mas sem nenhum spoiler. Podem ler tranquilos.









O TESTE #1

"No dia de formatura de Malencia ‘Cia’ Vale e dos jovens da Colônia Cinco Lagos, tudo o que ela consegue imaginar – e esperar – é ser escolhida para O Teste, um programa elaborado pela Comunidade das Nações Unificadas, que seleciona os melhores e mais brilhantes recém-formados para que se tornem líderes na demorada reconstrução do mundo pós-guerra. Ela sabe que é um caminho árduo, mas existe pouca informação a respeito dessa seleção. Então, ela é finalmente escolhida e seu pai, que também havia participado da seleção, se mostra preocupado. Desconfiada de seu futuro, ela corajosamente segue para longe dos amigos e da família, talvez para sempre. O perigo e o terror a aguardam.

Será que uma jovem é capaz de enfrentar um governo que a escolheu para se defender?"




















Em "O Teste", vemos um mundo pós-guerra devastado pelos sete estágios de guerra e destruição. Agora reconhecido como Comunidade das Nações Unidas Unificadas, que se dividem em colônias.

Todo ano, jovens passam pela formatura e só os mais brilhantes e inteligentes são selecionados para participar do Teste, que tem como finalidade avaliar competências e habilidades dos recém-formados para se tornarem futuros líderes da comunidade.

Ser escolhida é um grande sonho de Malencia. Ela sempre se esforçou e estudou para que um dia, tivesse a grande oportunidade de ser selecionada para o Teste, assim como seu pai foi, décadas atrás. No entanto, toda a lembrança de seu pai é vaga e sua única certeza e conselho é que ela não deve confiar em ninguém.

Passada a cerimônia de formatura, Cia é de fato escolhida, junto com o amigo Thomas.

O que Cia só percebe quando está no Teste, é que ele não é apenas um medidor de conhecimentos teóricos ou práticos. Não é algo tão banal ou simples. Ele vai além disso, o Teste é composto por quatro etapas, que avaliam desde seu conhecimento básico, raciocínio lógico, capacidade de resolver situações adversas e fraquezas, até o instinto de sobrevivência. 

E que qualquer erro exige uma punição.

QUE LIVRO.
QUE HISTÓRIA.

Ufa, falei! Embora tenha notado alguns elementos parecidos com "Jogos Vorazes" e "Divergente" (e isso está sendo falado no box), o livro escrito por Joelle Charbonneau possui certa originalidade. Foi uma leitura muito prazerosa e todas as minhas expectativas quanto ao conteúdo foram atendidas.

Foi bom do início ao fim.



ESTUDO INDEPENDENTE #2


"Você é esperta, Cia. Você é forte. Há pessoas como eu que estão ao seu lado e sabem que vai conseguir. Por favor, prove que estou certo!".

"Estudo independente" é o segundo livro da trilogia "O Teste". E a leitura foi ao todo vapor. Mais uma vez, narrativa exemplar, muitas reviravoltas, história rica em detalhes e desenvolvimento espetacular e nada previsível, não adianta querer descobrir quem é quem na história.

"Estudo independente" possui pouca ação com relação ao primeiro livro, acredito que seja algo como um "reconhecimento da área" ou "estudando o inimigo". Como se fosse uma preparação para o que podemos esperar o último livro.

Limitei meus comentários, pois sendo uma continuação, não quero correr o risco de soltar algum spoiler e nem seria justo isso. Quero que você leia esse livro e seja surpreendido.

Por ora, só digo que continua ótimo.







A FORMATURA #3

Ganhou o título de queridinha da estante. 


De forma bem geral, gostei muito de tudo o que eu li. A história é muito bem desenvolvida e inteligente.

A narrativa não peca nos detalhes e nas emoções dos personagens.

Embora minha única e pequena decepção seja com o final da trilogia. A conclusão foi boa, deixou um quê de promessa dando a entender que a história não acabou e ainda tem muita coisa para acontecer, mas alguns fatos não foram explicados e por gostar tanto da história, eu quis mais. 

Alguns capítulos a mais não faria mal né, Joelle?

Fiquei com gostinho de quero mais.


A edição dos meus livros são econômicas, comprei o box super baratinho no Submarino, para mim não foi problema, mas como sei que vocês gostam de saber, o box é bem frágil sim, mas com relação aos livros, as páginas são amareladas e a fonte das letras são boas, embora sejam mais finos que a edição normal, não me incomodei com isso.



quarta-feira, 13 de janeiro de 2016

Resenha | BOSTON BOYS (Giulia Paim)

Boston Boys é o tipo de livro que assim que você termina de ler, já bate uma saudade da história.

Ronnie Adams é uma garota comum como qualquer outra, mas quando ela descobre que sua mãe, que era Analista de Sistemas vira uma produtora do seriado sobre uma boyband e por causa disso um dos integrantes passa a morar na sua casa, ela fica louca da vida. E não é no bom sentido, afinal de contas, ela não suporta a série que sua irmãzinha tanto assiste e ama.













"Boston Boys" é uma boyband formada a partir dessa série e composta por três garotos, Henry, Ryan e Mason, três garotos que fazem milhões de garotas suspirarem com seus rostinhos bonitos. Ronnie não é assim, como uma garota responsável e pé no chão, ela não vê nada demais na série e muito menos nesses garotos, mas quando eles entram na sua vida, ela passa de 8 para 80.

Com a vida agitada de estúdio, gravação e colégio, Ronnie precisa conviver com o estrelismo de Mason, a paixonite de Henry e uma fanática fã a intimidando em seu jardim ou onde quer que ela esteja.

Boston Boys tem aquela escrita gostosa de acompanhar. É leve, passa jovialidade e tem aquele ar de inocência na trama. Na verdade, lembra bem uma série ou filme da Disney. Giulia Paim conseguiu criar tantos cenários e diálogos divertidos que é impossível não se envolver com história. Somos levados para várias aventuras. Fora isso, a autora trabalhou muito bem com as personalidades de cada personagem de tal forma que o leitor possa identificá-los e falar o famoso: sou #TeamMason (por exemplo).

Todos os personagens da história são divertidos e cativantes. Quando a gente pensa em uma boyband, muita gente associa à garotos lindos e cheios de personalidades, ler Boston Boys me levou para uma experiência divertida, como seu eu mesma estivesse convivendo com eles. Ronnie, por sua vez, foi a dona de várias cenas que a gente fica com aquela vergonha alheia, porém, muito divertidas, isso porque as circunstâncias levam a garota responsável a tomar atitudes que ela nunca na vida pensou em tomar.



Com dezoito anos, a Giulia Paim demonstrou maturidade de uma grande escritora, espero ansiosamente pela continuação, porque né gente, não dá pra viver com um final daqueles, queremos mais!

Ah, não posso terminar essa resenha sem falar da edição. Está linda, tanto por fora quanto por dentro, cheia de detalhes e uma diagramação incrível. A editora 5w está de parabéns.

EDITORA 5w | 333 PÁGINAS | SKOOB

terça-feira, 12 de janeiro de 2016

Resenha | O PROJETO ROSIE (Graeme Simsion)

"Para se ter a vida de Don Tillman, não é preciso muito esforço. Às terças-feiras come-se lagosta com salada de wasabi (seguindo um roteiro com refeições padronizadas que evitam o desperdício de ingredientes e de tempo no preparo); todos os compromissos são executados de acordo com o cronograma – alguns minutos reservados para a prática do aikido e do caratê antes de dormir; uma hora para limpar o banheiro; três dias da semana reservados para suas idas à feira – e se, apesar dessa programação, algum desagradável contratempo surgir em sua rotina, não há nada que não possa ser solucionado com meia hora de pesquisa científica.
Exceto as mulheres."


EDITORA: RECORD | 320 PÁGINAS



"O projeto Rosie" foi me conquistando aos poucos. De início, não me apaixonei pela história, mas aos poucos fui me envolvendo com a história e me divertindo com as investidas nada convencionais de Don Tillman, o protagonista dessa história.

Don Tillman é um especialista em seguir seu cronograma. Metódico e super controlador, às terças-feiras, ele só come lagosta, por exemplo, três dias da semana, ele reserva para idas ao mercado, outro exemplo. Ah, ele tem uma hora para limpar o banheiro. 

Tudo para ele se resolve com pesquisa científica. 

Menos as mulheres. As mulheres para ele é um caso a parte na sua vida.

Eis que Don Tillman resolve seus problemas com um questionário meticuloso em busca da mulher perfeita. Parece uma ideia bem louca né? E é mesmo, afinal de contas, qualquer mulher que não preenche os requisitos está fora de cogitação para ele, sem chance. Fumantes? NÃO! Atrasos? De jeito nenhum!
"Um questionário! Uma solução tão óbvia. Um instrumento cientificamente válido, com propósito definido, que incorpora as melhores práticas atuais para filtrar as mulheres que são perda de tempo, as desorganizadas, as que discriminam sabores de sorvete, as que reclamam de abuso sexual visual, as esotéricas, as leitoras de horóscopo, as obcecadas por moda, as fanáticas religiosas, as veganas (...)"
Porém, com uma ajudinha do seu único amigo, Gene, Don conhece a mulher que vai tirá-lo do eixo. Quando Rosie aparece na história, tudo fica mais cativante, alegre e divertido, isso porque Rosie é o oposto do que Don procura ou caracteriza como perfeito. Rosie é totalmente inadequada de acordo com seus padrões, mas mesmo assim, consegue uma brechinha na vida de Don e faz que ele se permita mais, viva mais.



Publicado pela editora Record, "O projeto Rosie" possui uma história divertida e com uma linguagem espontânea, mas ao mesmo tempo um pouco mais técnica. A história tem um quê de previsível e clichê, mas com circunstâncias novas durante toda a leitura que a torna curiosa e diferente.

segunda-feira, 11 de janeiro de 2016

DIY | BB-8 (Star Wars)

Fonte: Google
Se essa coluna DIY ou "Faça você mesmo", vai durar aqui eu não sei. Eu espero que sim, porque eu realmente gosto disso. Não vou procurar trazer nada com relação à decoração, móveis. Eu procuro trazer itens voltados para séries, livros e filmes.

E para iniciar, eu resolvi fazer o BB-8. E acredite, essa bolinha dá muito trabalho de fazer. Mas ao mesmo tempo, depois de vê-lo pronto, dá um prazer tão grande, aí você lembra que ele não anda e muito menos faz aquele barulhinho tão fofo...

Mas ainda assim, dá muita vontade de apertar. 

Para fazer ele, usei:
  • 2 bolinhas de isopor (uma grandinha para o corpo e outra menorzinha para a cabeça);
  • 5 tintas; LARANJA, VERDE, VERMELHO, PRETO E BRANCO (e misturei para ter o cinza), usei a tinta ACRILEX - Tinta Fosca para artesanato (latex PVA - Base água), mas acredito que os outros tipos também funcionem bem no papel, se for direto no isopor, essa pode funcionar melhor.
  • Papel higiênico (ou jornal picado) *
  • Cola *
  • Água *
  • Pincel.
  • 1 palito de dente;
  • Lápis.
A maioria do material utilizado (isopor no formato de bola, tintas e pincel) encontrei em uma única loja de material de artesanato, não é difícil encontrar.

Nessa foto, já revesti as bolinhas de isopor com papel higiênico

O primeiro passo, foi cortar a bolinha de isopor pequena para fazer a cabeça, depois disso, cobri as duas bolinhas com a mistura de cola + água em proporções iguais* e junto com um pincel, passar o papel higiênico ou jornal em volta para deixar ele mais firme e tirar aquele aspecto de isopor. O único chato é que precisa esperar secar e isso pode demorar de um dia para o outro. Mas se aí tiver batendo um sol, vai secar mais rápido.


Ah, achei importante deixar a cabeça e o corpo separados, é mais fácil trabalhar assim, já que você pode trabalhar com um enquanto o outro seca, para juntá-los, finquei um palito de dente para deixar os dois unidos novamente sempre que quiser.

Depois disso, eu desenhei as formas do BB-8 nele, dá pra fazer de lápis desde que seja bem levinho para não manchar demais. E como a tinta que eu usei é do tipo fosca, foi fácil manusear com ela porque seca rápido. Utilizei a imagem abaixo como base.

Fonte: Google



Depois foi só pintar.

Comecei pela parte laranja e depois disso fui dando uns ajustes para ter o formato certo. As cores vermelha e verde usei bem pouquinho, só para fazer os botões.

O "olho" dele eu encontrei uma miçanga de pulseira aqui em casa, fez muita diferença no resultado final, então aconselho quem quiser fazer comprar uma, é possível encontrar em lojas de materiais para artesanato.

Para fazer os detalhes finos, eu usei o palito de dente para conseguir mais destreza, facilitou muito.

Resultado final:



*NESSE VÍDEO DO ART ATTACK, você pode conferir a mistura que comentei, ela é bem simples, a explicação começa em 1:17.

Gente, esse é o primeiro DIY que posto aqui, sendo assim, aceito sugestões e qualquer dúvida que vocês tiverem quanto a execução ou material utilizado, podem me perguntar aqui que respondo, mas espero que tenha deixado claro rs.
Fonte: Google

Bjs,
Tamyres

sexta-feira, 8 de janeiro de 2016

Resenha | DE OLHOS FECHADOS (Lavínia Rocha)


De Olhos Fechados"Ignorar é a solução" foi o que pensou Cecília quando alguns papéis começaram a surgir no seu quarto, na bolsa e nos seus livros. O que seriam aquelas ameaças e informações sem nexo? Quem estaria mandando? Como se não bastasse, a cada que os lê, uma imagem passa em sua mente. Talvez isso pudesse ser menos estranho se Cecília não fosse cega desde o dia que nasceu.


Para desorganizar ainda mais sua vida, Tiago - o garoto novo da escola - começa a balançar seu coração e a faz com que sinta o que ela jamais sentiu. Sua dificuldade agora é acreditar no que sempre tentou passar às pessoas: ser cego não é sinônimo de limitação e tristeza.


Entre os desafios do dia-a-dia e da adolescência, Cecília se vê envolvida em um mistério que pode afetar sua vida e de todos os belo-horizontinos, e ela não vai descansar até descobrir - e entender - um grande segredo do passado da cidade que os livros de História jamais ousaram contar.

EDITORA D'PLÁCIDO | 253 PÁGINAS


Que delícia de história!

"De olhos fechados" vai falar sobre a Cecília e um mistério que envolve sua família. Com frequência, ela recebe papéis com localizações, dicas ou até mesmo ameaças, e por um tempo ela decide ignorar tudo isso, até ficar insustentável esse segredo.

Paralelamente, ela conhece o Tiago - o novato da escola - e começa a se sentir muito confusa com relação à isso. Tiago desperta nela o amor mais puro que possa existir.

O que torna a leitura diferente e especial é o fato da Cecília ser cega, desde que nasceu.


Com uma personalidade forte e as vezes irônica ela mostra que ser cega não é sinônimo de solidão, tristeza e muito menos dependência. Outro fato que encanta é o "tour" por Belo Horizonte. Eu, como mineira, conheci ainda mais da minha cidade através das palavras da @laviniarocha. E aprecio muito essa pesquisa que os autores fazem.

Além de tudo, a narrativa é muito boa e flui super bem. Os personagens são carismáticos e o enredo não se perde em nenhum momento, todo o mistério na história se encaixa bem no final. Por isso tudo e mais um pouco, esse livro entrou para a minha lista de favoritos.

A simplicidade dessa história encanta. Embora seja um livro voltado para um público juvenil, vou recomendar esse livro para todas as idades pelo ensinamento que esse livro trás. Pela paixão e respeito que a autora demonstrou ali.

Não costumo fazer isso, mas como a editora é localizada aqui em BH, seus livros em outros estados são mais difíceis de encontrar. Estou deixando o link para que vocês conhecerem mais sobre a editora e a autora. E se interessarem, onde comprar.

LOJA | FACEBOOK | FACEBOOK (autora)

quinta-feira, 7 de janeiro de 2016

Projeto | 6 ON 6 - Verão

O tema desse mês é VERÃO. Uns anos pra trás descobri que essa estação não é minha favorita. E já que Minas não tem mar (ou praia) e não não vou pro bar, a gente improvisa aqui nas fotos.

Pega uma água de coco e imagina uma praia!

Aproveita e pega umas dicas de livros leves para ler nesse mês.



"Primeiras Impressões é uma adaptação moderna do clássico Orgulho e Preconceito de Jane Austen. O romance eterno de Lizzie e do Sr. Darcy é situado desta vez entre paisagens paradisíacas do Brasil e cenários surpreendentes dos Estados Unidos, em um relacionamento complexo entre uma carioca sarcástica e brilhante e um político americano de uma família conservadora."

Orgulho e Preconceito em um cenário totalmente brasileiro. AMEI e recomendo.


"É hora de iniciar o segundo ano do Ensino Médio, e Marisa está pronta para um novo começo e para seu primeiro namorado de verdade. No entanto, depois do popular Derek convidá-la para sair, as coisas ficam complicadas. Além de seus pais se separarem e de Marisa ter uma briga com seu melhor amigo, Derek ? o amor da sua vida ? a deixa desapontada. As únicas coisas que mantêm Marisa são os podcasts de um DJ anônimo, o qual parece entendê-la totalmente. Mas ela não sabe quem ele é... Ou sabe?"

Não é o meu livro favorito. Mas cumpre o seu papel, é um romance leve típico sessão da tarde.


"Os Sinclair são uma família rica e renomada, que se recusa a admitir que está em decadência e se agarra a todo custo às tradições. Assim, todo ano o patriarca, suas três filhas e seus respectivos filhos passam as férias de verão em sua ilha particular. Cadence - neta primogênita e principal herdeira -, seus primos Johnny e Mirren e o amigo Gat são inseparáveis desde pequenos, e juntos formam um grupo chamado Mentirosos.


Durante o verão de seus quinze anos, as férias idílicas de Cadence são interrompidas quando a garota sofre um estranho acidente. Ela passa os próximos dois anos em um período conturbado, com amnésia, depressão, fortes dores de cabeça e muitos analgésicos. Toda a família a trata com extremo cuidado e se recusa a dar mais detalhes sobre o ocorrido… até que Cadence finalmente volta à ilha para juntar as lembranças do que realmente aconteceu"


Mentirosos não é exatamente um livro leve, mas se passa no verão e é um tipo de livro que você pode ler em qualquer época do ano. Sensacional!


"Boston Boys conta a história de Ronnie Adams, uma garota responsável e pé no chão, que vive em Boston desde que nasceu. Sua vida vira de cabeça para baixo quando ela descobre que sua mãe, uma analista de sistemas, resolve mudar radicalmente de emprego: se torna produtora do programa de TV Boston Boys, uma série de sucesso que mostra a vida perfeita de três integrantes de uma boyband americana, que é o último programa que Ronnie gastará seu tempo para assistir. Para lhe trazer ainda mais dor de cabeça, Mason McDougal vocalista da banda e protagonista da série vai morar com ela e sua família por motivos que ela desconhece.

A convivência diária com um astro de TV egocêntrico e implicante é difícil para Ronnie e piora ainda mais quando ela tem que lidar com os outros dois atores do programa: Henry e Ryan. Além deles, surge um fã louca e perseguidora que parece rastreá-la a cada passo.

Ronnie vive altas aventuras com os garotos uma viagem internacional, uma guerra cibernética de boatos para uma revista, seu ódio pelas meninas de sua escola, as picaretagens de produtores e até uma possível separação da banda. Apesar de tudo, ela cria um vínculo com este universo glamouroso que achava nunca ser possível."

Boston Boys foi o último livro de 2015 e foi uma surpresa muito boa. A história tem aquele ar de Disney e combina muito com o verão, é uma leitura tranquila e descontraída.


"Jane Hayes tem 33 anos e mora na Nova York atual. Bonita, inteligente e com um bom emprego, ela guarda um um segredo constrangedor: é verdadeiramente obcecada pelo Sr. Darcy. Embora sonhe com ele, os homens reais com os quais se depara são muito diferentes dos que habitam sua fantasia. Justamente por isso, ela decide deixar de lado sua vida amorosa e aceitar seu destino: noites solitárias aconchegada no sofá assistindo a Colin Firth em seu DVD.

Porém, esses não são os planos que sua rica e velha tia-avó Carolyn, tem para a moça. A única a descobrir o segredo de Jane deixa, em seu testamento, férias pagas para a sobrinha-neta na Austenlândia. A ideia é que Jane tenha uma legítima experiência como uma dama no início do século XX e consiga se livrar de uma vez por todas de sua obsessão. Contudo, para isso, ela terá que abrir mão do celular, da internet e até do uso de sutiãs em troca de tardes de leitura, espartilhos e... a companhia de belos cavalheiros."

Outro livro que envolve a Jane Austen. E é outro que é uma leitura muito divertida com uma ambientação diferente que te faz viajar sem sair do lugar.


"Maggie sempre foi uma anjinha, a cria mais certinha da complicada (e engraçadíssima) família Walsh... até se cansar de andar na linha e mandar todas as regras que a prendiam a um dia-a-dia em sal (e muito menos açúcar) às favas - a começar pelo casamento (que, para o bem da verdade, nunca havia realmente engrenado) e o trabalho bitolante numa firma de advocacia. Ao largar essa vida em preto e branco no passado, Maggie decide se mandar para o lugar onde a realidade promete ser em Technicolor: Hollywood, claro! Terra do glamour, da liberdade, da beleza (até as palmeiras das calçadas são magras), da luxúria e, obviamente, da diversão! (...)".

Confesso que os livros da Marian Keyes são ENORMES e dão a impressão de que não vamos terminar esse livro nunca. "Los Angeles" tem pouco menos de 500 páginas, mas possui - como sempre - uma história bem divertida, além de ser bem escrito. Adoro a Marian e além desse, também indico outros livros dela. Esse, por exemplo, faz parte de uma série onde cada livro traz a história de uma irmã da queridíssima família Walsh. Eu adoro!

Ordem: Melancia, Férias!, Los Angeles, Tem Alguém Aí?, Chá de Sumiço e Mamãe Walsh.


Confira as fotos das blogueiras participantes:
Livy (no mundo dos livros) | Lu (psicose literária) | Mari (na estrada da fantasia) | Ana e Bia (na sua estante) | Mile (books on first)

sábado, 2 de janeiro de 2016

WISHLIST LITERÁRIA | 2016

Ahhh, 2016. Ano novo. Vida nova... 

Não importa quando ou onde... A lista dos livros desejados estão sempre aí. Eu juro que tentei selecionar os MAIS DESEJADOS do momento. Tentei mesmo ser sucinta e relativamente econômica. Mas é impossível não pensar nos próximos lançamentos do ano, afinal... Começou tudo de novo. Como bookaholic sofre com isso rs.


  • S., J. J. Abrams & Doug Dorst
  • Nós, David Nicholls
  • Beleza Perdida, Amy Harmon
  • O Sol é pra todos, Harper Lee
  • Depois de você, Jojo Moyes
  • Coraline, Neil Gaiman
  • A lua de mel, Sophie Kinsella
  • 1 milhão de motivos para casar, Gemma Townley
  • Você (não) é o homem da minha vida, Alexandra Potter
  • Daytripper, Fábio Moon & Gabriel Bá
  • O livro do cemitério, Neil Gaiman
  • Labirinto de Ilusões, Bárbara Negrão



  • Box Métrica, Colleen Hoover
  • Box Legend, Marie Lu
  • Box Jogos Vorazes, Suzanne Collins
  • Box Maze Runner, James Dashner
Bjs,
Tamyres

sexta-feira, 1 de janeiro de 2016

Resenha | NAS PROXIMIDADES DO AMOR (Ligia Ortiz)

SINOPSE: Após ser traída pelo noivo, Nalu Alcântara Hanz, uma jovem e atraente publicitária, faz de tudo para preservar seus sentimentos. Passado o pior, vê em Caio uma ilha segura e mantém seu coração a salvo de ser quebrado novamente. Tudo parece perfeito. Mas quando sua vida esbarra com Alec, uma bagunça deliciosa acontece, balançando suas estruturas e questionando suas regras. Alec está determinado a ficar com Nalu, que só recua de suas aproximações. Contudo não se foge da verdade, ela sempre aparece. 

O que fazer quando suas crenças são postas à prova?



EDITORA NOVO SÉCULO | 384 PÁGINAS | SKOOB



"Nas proximidades do amor" é um livro que mistura um romantismo antigo, mas com uma pegada mais quente. (Percebe-se pela capa).

Mas acho que me faltou romantismo nessa leitura. Alguns pontos da trama me incomodaram bastante, enquanto outros aspectos achei bem interessante. Um deles é a própria escrita da autora, que é ótima e, de fato, prende a leitura. 


---

Quando Nalu sofre uma grande decepção amorosa, ela não permite se apaixonar mais tão facilmente. Em um relacionamento "amigo-colorido" com o Caio, ela vê uma forma de se manter firme e segura. No entanto, sua vida vai se complicar com a chegada de um vizinho um tanto quanto bonito e charmoso.

Mas Nalu continua firme com a ideia. 

Mas como o destino gosta de brincar com as pessoas, seu novo vizinho, Alec, também trabalha na mesma empresa que ela, e não o bastante, se torna sua dupla de trabalho. Para finalizar, ele se mostra bem interessado nela.

Daí pra frente eu deixo vocês imaginarem o que acontece. 

Eu não sou exatamente fã do gênero "New Adult", mas como leitora, abro meu coração e cabeça para diversos gêneros possíveis. O fato do livro ter essa pegada mais quente, não influenciou em nada a minha opinião.

As minhas considerações é que do meio para o final achei um pouco cansativa a leitura. O desenrolar do romance na história não me cativou 100% ou como disse, me faltou romantismo mesmo. Acontece que o que mais me incomodou, foram as constantes idas e vindas do casal. Um verdadeiro iô-iô, embora entenda o que a autora quis passar com isso no final das contas.

"Nas proximidades do amor" é o volume 1 de #Predestinados, pelo que li, não acho necessário uma continuação da história. A não ser que a autora dê a chance para os outros personagens aparecerem mais, como Thais, a melhor amiga da Nalu e seu irmão, Lucas. Existe história aí que precisa ser explicada, e eu quero saber o que aconteceu.

Caso contrário, a história dos personagens finalizou bem. Não acho necessário um segundo livro com o foco neles.

Outro fator que é interessante e mérito da autora, foi o desenvolvimento dos personagens isolados, embora o casal não tenha me cativado, a Ligia soube caracterizar bem cada personagem nos tornando muito próximos dos seus pensamentos.

De modo geral, a leitura flui bem. O livro é bem escrito e bem estruturado. A história é consistente e por mais que as idas e vindas do casal tenha me incomodado, é inevitável não torcer por um final feliz.