segunda-feira, 23 de maio de 2016

Resenha | A ÁRVORE DA MENTIRA (Frances Hardinge)

          “A MENTIRA TEM SEUS FRUTOS. E QUASE NUNCA SÃO DOCES. Na inóspita ilha inglesa de Vane, em pleno século XIX, os Sunderlys desembarcam, atraindo atenções e suspeitas.

Quando o reverendo Erasmus, patriarca da família e proeminente estudioso de ciências naturais, é encontrado morto em circunstâncias obscuras, sua filha, a jovem e impetuosa Faith, está determinada a desvendar o mistério. Para isso, precisará de coragem não apenas para confrontar dolorosos segredos mas também para desafiar as implacáveis tradições da sociedade em que vive. Investigando os pertences do pai em busca de pistas, ela descobre uma planta estranha. Uma árvore que se alimenta de mentiras sussurradas e dá frutos que revelam verdades ocultas.

Quando a espiral das sedutoras mentiras de Faith fica fora de controle, ela compreende que as verdades estilhaçam muito mais. Combinação de horror, romance policial e realismo fantástico, esta arrepiante história da premiada escritora britânica Frances Hardinge, autora de "Canção do Cuco", promete arrebatá-lo do começo ao fim.” 
_____________________________________________________________________________



A trama gira em torno da família Sunderly. O Reverendo Erasmus, sua esposa Myrtle, a jovem filha Faith e o caçula Howard. O leitor se depara com a família viajando junto com o tio Miles de Londres para a pequena ilha localizada em Vane. Acontece que a protagonista dessa história é extremamente curiosa, o fato de a família ter arrumado essa viagem às pressas com a desculpa de que o pai, o grande naturalista e cientista, é convidado para uma escavação na ilha, desperta a desconfiança da garota.

A narrativa é em terceira pessoa e na maior parte do tempo, sombria e tensa cheia de metáforas intrigantes. A autora conseguiu descrever brilhantemente o cenário de uma ilha pequena, florestas e cabanas escuras e personagens inteligentes. No entanto, o mais curioso de tudo é a Árvore. A misteriosa planta que o Reverendo carrega para cima e para baixo com tanto cuidado e zelo desperta a atenção do leitor. Principalmente quando Erasmus Sunderly é encontrado morto em circunstâncias estranhas e suspeitas. Apenas Faith desconfia de que possa ser um assassinato, enquanto todos acreditam ser suicídio.

Na época em que a história é retratada, no século XIX, o suicídio é um crime quase bárbaro, desumano e terrível. Assim como o fato da sociedade impor o comportamento da mulher como esposa obediente e discreta. É isso que torna Faith uma personagem tão interessante, ela sempre foi contra as regras e obrigações da sociedade, é por isso que não é levada a sério quando conta sobre suas suspeitas.

Sendo assim, após tantas evidências e injustiças, a protagonista decide investigar a morte do pai, ela só não imaginava que o desejo pela descoberta do assassino a levaria para outros assuntos peculiares do pai. O diário do Reverendo achado pela garota a leva para a Árvore e como a boa cientista que quer ser, Faith a estuda. Toma conhecimento da planta e aprende como ela funciona.

O simples sussurro de uma mentira próximo à planta até ao alastramento da mesma dentro da ilha, permite um fruto que contém um segredo. Faith usa desse artifício para descobrir o responsável pela morte do pai, mas o fruto nunca é doce...



Se o pai foi assassinado, existe algum motivo... E Faith estará perto de saber a verdade. Frances Hardinge criou um mistério em torno da Árvore incrível. O desenvolvimento da história é rápido e inteligente. É viciante! Faz tempo que não me empolgo tanto com as páginas finais de um livro. “A árvore da Mentira” é um misto de suspense, ação e fantasia com um cenário sombrio, personagens inteligentes e uma trama bem montada sem pontas soltas. Recomendadíssimo

Publicação @novoseculoeditora
Ano: 2016 | 304 páginas



domingo, 8 de maio de 2016

O GAROTO DOS OLHOS AZUIS (Raiza Varella)

O príncipe encantado existe?

Bárbara é linda, loira e bem-sucedida. Desde que assistiu a uma cerimônia de casamento pela primeira vez, ainda criança, seu sonho é apenas um: percorrer o tapete vermelho da igreja, vestida de noiva. Porém, contrariando todas as suas expectativas, ao ser abandonada no altar, a vida de Bárbara desmorona. Ela decide voltar à cidade natal e passa a viver com os irmãos e mais dois amigos. Todos homens. Com a ajuda de Vivian, uma espécie de Barbie Malibu, Bárbara tenta superar sua decepção amorosa recente e uma da adolescência, que volta com tudo à sua memória: o garoto dos olhos azuis. Será que o cavalo branco só passa uma vez? É isso que Bárbara vai descobrir com bom humor, jogo de cintura e uma pitada de neurose, em O Garoto dos Olhos Azuis, romance de estreia de Raiza Varella.


---

Bárbara sempre acreditou nos contos de fadas. Ela é do tipo que em uma cerimônia de casamento, repara no olhar do noivo – ao contrário do deslumbramento com a noiva e seu vestido – e percebe ali o amor que existe entre o casal.



Além dessa lembrança de infância, Barbara também nunca se esqueceu de um certo momento na sua vida. Humilhada por uma garota da cidade, ela acabou sendo protegida por um garoto de olhos azuis. Desde então, ela nunca esqueceu o olhar ou deixou de sonhar com mais um encontro com o tal garoto.

Agora Barbara vai se casar. O grande momento da sua vida chegou! No entanto, suas amigas e seus pais não estão muitos animados com a cerimônia... Todos a perguntam: Tem certeza que você quer casar?

Mesmo estranhando o comportamento deles, ela ignora todo mundo e parte para a igreja, mas inevitável acontece... Sabe aquele olhar apaixonado do noivo que a protagonista sempre observou? Ele não está no seu próprio noivo.

Como se não bastasse, o noivo terminou tudo ali e ainda disse que está apaixonado pela melhor amiga dela.


Arrasada, Bárbara só quer fugir dali e acaba indo para a casa dos pais, de volta para o lugar do garoto dos olhos azuis, mas agora a garota só tem raiva por ter acreditando tanto nos contos de fadas. Preocupado com a irmã, Augusto a convida para morar com ele, seu outro irmão e mais dois amigos, Bernardo e Ian.

Juntos, Bárbara ainda vai se surpreender muito nessa casa e vai nos render cenas divertidíssimas.

A história foi muito bem desenvolvida.. É um pouco clichê, com toda a circunstância, não é muito difícil saber quem é o garoto dos olhos azuis, mas é divertido ver como a protagonista lida com tudo isso. Como disse antes, existem muitas cenas e diálogos divertidos, me peguei rindo (gargalhando) em várias páginas. Além do romance na história, existe um pouco de drama/ação também. E é essa ação que torna o clichê inicial com um final imprevisível. Amei, recomendo e vamos ler o segundo “O garoto que tinha asas” para saber o que acontece com a Bárbara e companhia! :))

domingo, 1 de maio de 2016

ENTRE 3 MUNDOS (Lavínia Rocha)

Há algumas décadas, o Brasil vivia intensos conflitos entre pessoas normais e pessoas com dons extraordinários. Visando a paz no país, as autoridades o dividiram em dois territórios – o do Norte e o do Sul – e assinaram um contrato proibindo a migração de uma região para a outra.

Alisa é de uma família do Norte, mas foi identificada como pertencente ao Sul e precisa esconder a verdade de ambos os mundos. Além de quebrar o contrato toda semana para visitar seus pais, Alisa enfrenta problemas comuns da adolescência: acha seu próprio nome bizarro, gosta do cara errado e é a única pessoa que não percebe o quanto seu melhor amigo é apaixonado por ela.

A vida de Lisa (como prefere ser chamada) se transforma completamente com um grande acontecimento no colégio e, agora, ela se vê diante de um desafio envolvido pela descoberta do amor e da sua verdadeira identidade.


Com muita criatividade, a Lavínia apresenta para os leitores um  mundo mágico narrado por Alisa, uma adolescente divida entre 3 mundos. Ela só não sabe como se encaixa nisso ainda.

A autora criou um cenário um tanto quanto diferente ao gerar um conflito baseado na magia e na crença de cada um. Nesse cenário conflituoso, o Brasil precisou ser dividido entre o Norte e Sul. No Norte, existem pessoas normais, alheio ao mundo mágico. Enquanto que no Sul, existem pessoas com dons extraordinários. Eles não se misturam de forma alguma.

A família de Alisa é do Norte, mas a garota acaba sendo identificada como pertencente do Sul. Lisa, como gosta de ser chamada, vai para o Sul a fim de estudar em um escola de magia para treinar suas habilidades e encontrar o seu dom. Lá ela ela conhece Daniel, o estudioso, Sol, a doidinha, Nina, a madura e Marco, o gente boa. Juntos, os cinco formam um grupo de amigos.

Eles estão entrando no ensino médio, isso significa que vão receber - finalmente - o livro do seu personagem e saber qual o dom deles. Isso implica aulas de magia também... (Depois dessa aposto que você escolheria viver no Sul!!).

Porém, toda essa parte acaba ficando no segundo plano, pois o que Lisa recebe na cerimônia só a deixa mais triste e em dúvida. Seu livro está em branco e ela não recebeu o nome de nenhum personagem. É nessa parte que Lisa e seus amigos se unem para entender onde é que a garota se encaixa.

Depois disso não posso dizer mais nada, é uma surpresa. O que posso dizer é que sim, o grupo encontra um livro para Lisa.. Mas a descoberta não vai ser tão fácil assim. Lavínia escreveu um mundo super detalhado, bem criativo e repleto de fantasia. Existe também um misto de romance na história. Vocês vão encontrar um dedinho de algo que ainda está se formando durante a narrativa. 

É possível ler a história rapidinho, embora ela seja voltada para um publico mais jovem, a escrita é cativante e muito boa. E o que dizer da capa, hein? Maravilhosa! E reflete bem a história com todo esse ar mágico e misterioso.


"Entre 3 Mundos" vai ser uma trilogia, a autora já está escrevendo o segundo e quando tiver mais informações, atualizo o post :)

Nota: 4/5

sexta-feira, 29 de abril de 2016

Sobre a Bienal do Livro em Minas 📖

E acabou a Bienal do Livro em Minas Gerais, a experiência é sempre maravilhosa e foi lindo! Desejo uma Bienal para cada cantinho do Brasil. É um evento que só acrescenta coisa boa para as pessoas <3

Já estou com saudades...


Dos 10 dias de evento, fui em 4. Seria muito mais proveitoso se eu não tivesse em semana de entrega do TCC, provas e outros trabalhos na faculdade, mas mesmo assim deu para aproveitar bastante, foi divertido, conheci novas pessoas, me esbaldei nas promoções, vi um tanto de autor e por aí vai...

Separei alguns tópicos para falar para vocês sobre o que chamou mais minha atenção, as promoções, os lançamentos, os estandes... E principalmente os pontos positivos e também negativos da feira.




Editoras

Esse ano, as duas editoras das quais o blog é parcerio, tiveram um estande só para eles: a D'Plácido e Novo Século. Ambos estandes estavam lindos, organizados e chamativos.

O diferencial da Novo Século, foi o fato dos livros da Marvel estarem lá (além da simpática estatua do Homem-Aranha).

Já a D'Plácido, além de um espaço lindo e aconchegante, trouxe todos os autores já publicados por eles para o evento (todos os dias) e por isso, os leitores tiveram a chance de ter seus livros autografados, tirar fotos com eles e bater papo com cada um.

Além deles, a Leya, Grupo Autêntica, Aleph, Universo dos Livros, Planeta, Ler Editorial, Grupo Editorial Record, All Print, Qualis também tiveram seu espacinho só para chamar de seu.

Além disso, algumas editoras também estavam presentes no estande da Leitura, alguma delas: DarkSide Books, Novo Conceito, Globo Livros...

Preços

Já os preços... Teve quem ficou feliz e outros nem tanto assim. Os destaques sempre são os estandes com aquelas pilhas de livros com preço entre 10 e 20 reais. E mesmo assim, você tem que procurar muito para encontrar aqueeeeeele livro da sua wishlist. Um ponto negativo que eu encontrei nesses estandes foi que não tiveram tantos livros variados (quase todos tinham Game Of Thrones, seja o box ou os livros individuais).

Mas de volta a D'Plácido, apesar de poucos livros (literatura jovem) já publicados, todos se mantiveram na mesma faixa de preço, 20 reais, além de uma ecobag (linda) e o autógrafo dos autores.

Quase no fim do evento, foi possível encontrar preços mais acessíveis, inclusive, nas grandes editoras, com ótimas promoções. A Leya, Novo Século e D'Plácido foi uma que tornaram mais uma vez os livros acessíveis para o público.

O estande da Leitura, por outro lado - infelizmente, só encontrei preço normal (ou até mais caro) do que nas livrarias em um dia comum. Uma pena!

Também teve a "Nota Bienal" para os estudantes, um vale de 20,00 para ser trocado por qualquer livro. Não teve criança sem livro! Um ótimo incentivo! <3

Espaço para autores nacionais

Teve. E teve muitooooooo!

E foi maravilhoso ter contato com outros autores. Teve muito bate-papo nos corredores. Destaco também a oportunidade que vários autores tiveram para apresentar seu trabalho - muitas vezes feito de forma independente.

Dentre os autores que estavam lá, estão Laura Conrado, Maurício Gomyde, Carina Rissi, Paula Pimenta, Bruna Vieira, Babi Dewet, Thalita Rebouças, Affonso Solano, Marina Carvalho, Adelina Barbosa, Fernanda Medeiros, Bibi Ribeiro, Augusto Alvarenga, Lavínia Rocha, Mariana Cestari, Eduardo Spohr Isabela Freitas, FML Pepper (em um bate papo no estande da Amazon). Autores do Selo Novos Talentos da Literatura Brasileira (Novo Século).

Quem também movimentou bastante o lugar, foram os youtubers RezendeEvil, Bruno Miranda e Lucas Rangel (Vine).

Organização do espaço

Embora o espaço tenha sido reduzido, tudo estava bem organizado, com espaço para recreação das crianças com muito teatro, corredores bem espaçados e estandes bem chamativos.

Atrações

Será que preciso dizer que o Trono de Ferro, de Game of Thrones, foi o dono das atenções e felicidade da galera? Pois é... Até eu disputei o trono.

Teve uma "invasão" Star Wars que infelizmente perdi... Mas vi pelo instagram oficial da bienal, que por sinal, foi uma ótima fonte de informação.

Programação

A programação foi divida entre o Café Literário, atividades infantis, Conexão Jovem, Encontro com Autores, Geek & Quadrinhos e Encontros Profissionais. A maioria deles com programação todos os dias e dos mais diversos assuntos. Desde assuntos mais sérios, jogos, livros YA, a Babi Souza do movimento "Vamos Juntas?", literatura policial com o Raphael Montes e Alexandre Fraga, entre tantos outros. A Bienal é, de fato, um espaço para agradar todo tipo de público.

Fotos da bienal você pode encontrar aqui:
https://www.flickr.com/photos/bienalminas/albums

Saldo da Bienal


Sempre aproveito a feira para buscar livros baratos e que estavam na minha wishlist. Esse ano encontrei muita coisa bacana.

Encontrei lançamentos a preços acessíveis, livros autografados, livros muito desejados, livros nacionais. Muita coisa!! (presente também ok?) Com o incentivo do vale livro de 20,00, muitos livros estavam por esse preço. A maioria das minhas compras variaram na faixa de preço 10-20 reais.




Mimo da Novo Século para os blogueiros mineiros! AMEI TUDO!

Falando na Novo Século, acabou chegando também os livros do mês. Ele inclui o super lançamento "A Árvore da Mentira" e dois livros do selo Novos Talentos (que eu amo!)





Em breve (muitas) resenhas!
Beijos!

sábado, 9 de abril de 2016

Parceria D'Plácido + Bienal do Livro ❤

Oi!

Só queria avisar que a parceria com a Editora D'Plácido foi renovada (eba!).

Em maio do ano passado fiz um post sobre a parceria (esse aqui). Desde esse tempo, eu amadureci, assim como aconteceram coisas legais com a Editora também.

No post citado, eu disse que ela publica (principalmente) livros jurídicos e ano passado, eles ganharam o 1º lugar do prêmio Jabuti de Literatura na categoria Direito. Eu falo isso porque é algo muito grandioso e merece reconhecimento!


Mas o foco aqui é a literatura nacional, no final de 2013, a D'Plácido resolveu ampliar as áreas de atuação (eu agradeço muito por isso!). Eles entraram de cabeça no Y.A, mas com um diferencial: publicação de jovens autores brasileiros.

Vou deixar aqui algumas resenhas para vocês de alguns livros, mas já aviso... 2016 tem muita coisa legal vim aí e estou aqui para mostrar para todos vocês!!





A outra coisa legal, é que na Bienal do Livro de Minas (tá quase chegando!) eles vão ter um estande próprio!!!!!! E vai ter lançamento! Ou seja... Se você estiver aqui em Minas no período (15 a 24 de abril) não deixem de passar no estande da Editora. Os autores vão estar lá TODOS os dias, mas fiquem de olho nas datas oficiais de cada um.

Olha só:

Era uma vez: a buscaSinopse: 
Era uma vez: a busca (Bibi Ribeiro)


Isabella nunca se encaixou em nenhum grupo. Se considerava estranha e tinha dificuldade em se relacionar com outras pessoas. Então eis que surge uma grande oportunidade que vira todo o seu mundo de cabeça para baixo. Ela seria uma Procuradora de Princesas Perdidas, com a importante missão de encontrar as tão conhecidas Princesas de Contos de Fadas no meio de tanta gente comum (ou nem tanto) do Mundo Real. É claro que ela teria uma ajudinha. E esse parceiro é Lucas, um adolescente adorável que também se encontra perdido no meio dessa confusão em que as Princesas se colocaram. Como eles farão para encontrar essas Princesas quando essa busca envolve tantas situações complexas e sentimentos? Entre neste livro e viaje para o Mundo Real para descobrir o que acontece.

Tá em pré-venda, viu?


Outros livros e lançamentos:







Beijos!

sábado, 2 de abril de 2016

Resenha | E NÃO SOBROU NENHUM (Agatha Christie)

Uma ilha isolada e um anfitrião misterioso;
Dez pessoas comuns e diferentes entre si e é o passado de cada um que os une nessa história;
Ameaças, desconfianças e alianças entre os convidados;
Um mistério aparentemente sem solução.





O cenário principal dessa história é a isolada Ilha do Soldado, dez pessoas são convidadas para uma estadia na ilha através dos mais diversos convites, a maioria deles envolve o anfitrião Mr. Owen.

Quando todos os convidados chegam à ilha, são recebidos pelo casal de mordomos Rogers e Mrs. Rogers. Sem a presença de Mr. Owen, todos se instalam nos seus respectivos quartos.

Após o jantar, todos escutam a seguinte frase:

"Senhoras e Senhores! Silêncio, por favor!" 

(Em alto e bom som)

“Os senhores e as senhoras são acusados dos seguintes crimes”

Entre os dez, TODOS são acusados por algum crime que cometeram em um determinado momento de suas vidas.

Incrédulos e silenciosos, por pouco tempo, logo as reações começam: Rogers deixa a bandeja de café cair e sua esposa desmaia para logo mais a revolta abater todos ali em busca de respostas... De quem é aquela Voz?

A discussão para tentar entender tudo aquilo começa, mas o pior já vai acontecer...

Em poucas páginas, conhecemos a primeira vítima da história, ela morre engasgada, como diz no poema infantil...

“Dez soldadinhos saem para jantar, a fome os move; 
Um deles se engasgou e então sobraram nove.”

Após a terceira morte, fica claro que aquilo tudo é obra de um assassino e com uma detalhada revista na ilha, fica claro que não tem mais ninguém ali, exceto eles. O assassino está entre eles. É um dos 7.  A dúvida e desconfiança recaem em cada um ali. Todos são suspeitos. Todos são culpados. Resta saber quem é... Até não restar nenhum.


Agatha Christie foi genial, se ela é conhecida como a “Rainha do Crime”, consigo entender bem o motivo. O clima de suspense nesse livro é INCRÍVEL. Não dá para largar o livro até descobrir o responsável por tanta astúcia e inteligência (é preciso admitir).

Impressionante também é como a autora conseguiu trabalhar com o psicológico dos personagens em um enredo tão complexo e sem pontas soltas.

E o final? Ah... Que final. Não consegui desgrudar do livro até a última linha.

Para quem nunca leu Agatha Christie, LEIA AGORA. E comece por “E não sobrou nenhum”.

NOTA 6 DE 5 (porque merece). Claro que favoritei!


"Um soldadinho fica sozinho, só resta um; 
Ele se enforcou

E não sobrou nenhum."

sábado, 26 de março de 2016

Resenha | Nunca Jamais (Colleen Hoover; Tarryn Fisher)

Nunca Jamais
Sinose: Charlie Wynwood e Silas Nash são melhores amigos desde pequenos. Mas, agora, são completos estranhos. O primeiro beijo, a primeira briga, o momento em que se apaixonaram... Toda recordação desapareceu. E nenhum dos dois tem ideia do que aconteceu e em quem podem confiar.


Charlie e Silas precisam trabalhar juntos para descobrir a verdade sobre o que aconteceu com eles e o porquê. Mas, quanto mais eles aprendem sobre quem eram, mais questionam o motivo pelo qual se juntaram no passado.


GALERA RECORD | 192 PÁGINAS | SKOOB
__________________________________________________



A história começa com um estrondo narrado por Charlie,  que narra também total desconhecimento com relação ao lugar que está e muito menos quem é ela e o que faz ali.

Silas também tem essa sensação, na hora do almoço, ele não reconhece a garota ao seu lado, que também é sua namorada (Charlie) e não sabe como dizer isso para ela.

“Que estranho ser feita de carne, se equilibrar em ossos e ter uma alma que nunca conheci” 

É com esse cenário que conhecemos a história de Charlie e Silas. Ambos se conhecem desde criança e conheceram o amor na adolescência, no entanto, numa manhã tudo muda. Os dois estão sem nenhuma memória. Tudo que importa para eles... Família, amigos, passado, escola, sua identidade, não tem mais nenhum sentido. O quanto isso pode ser desesperador e assustador para uma pessoa? E pior, eles estão sozinhos nisso.

É por isso que juntos, eles se agarram aos detalhes para entender o que aconteceu com dois. E refazem alguns passos em busca de respostas...

“Nunca pare, nunca esqueça”



Com capítulos curtos e alternando o ponto de vista de cada personagem (com narrativa em primeira pessoa). É possível ler “Nunca Jamais” em um dia só. Com uma escrita envolvente e muito curiosa, a parceria entre CoHo e Tarryn deu muito certo. Os personagens conquistam, o enredo é original e o mistério envolve o leitor do início ao fim. Fora o romance, que vindo da Colleen, já dá pra esperar coisa boa e bastante sensibilidade nele.

A história é bem desenvolvida e não sei o que esperar das próximas partes (dividiram o livro em três partes), mas devo confessor que a parte I NÃO TEM UM DESFECHO. As páginas finais são eletrizantes, mas não diz nada mais revelador, que seja capaz de fazer o leitor pensar naquilo e tentar desvendar o mistério.

Mas talvez isso seja o grande truque dele. Estou muito curiosa e claro, recomendo a leitura.

"– Você acha que pode fazer com que eu goste de você de novo?
Eu olho para ela e balanço minimamente a cabeça. – Não. Vou fazer com que se apaixone por mim de novo."

sexta-feira, 25 de março de 2016

Resenha | Labirinto de Ilusões (Bárbara Negrão)

Labirinto de IlusõesSinopse: Com as revelações feitas recentemente Eva se sente em um labirinto de ilusões sem ter certeza de qual será seu próximo passo. Ela, Willian, Edgar e Dante, partem então em uma viagem para o outro lado do mundo, em busca de uma esperança que permita que fiquem no controle de suas vidas e em uma tentativa desesperada para conseguirem manter Eva a salvo. Mas tudo vai por água abaixo quando chegam lá, e nada sai como esperavam. Agora todos terão que correr contra o tempo enquanto tentam lidar com novas descobertas bombásticas, antes que toda a sociedade descubra o que Eva realmente é. Com novos personagens, que balançam as estruturas do relacionamento que Eva e Willian tentam manter em meio ao caos, esta nova aventura conta com muita ação, cenas de romance e revelações que irão te fazer não querer soltar o livro nem por um segundo até chegar ao fim.

NOVO SÉCULO | 372 PÁGINAS | SKOOB

_________________________________________________________________________________

Escrever a resenha de “Labirinto de Ilusões” sem soltar UM spoiler, é um desafio. Mas antes de tentar (hehehe) vou falar um pouco sobre o primeiro livro (Labirinto de Espelhos) para situar a resenha (ou você pode ler a resenha aqui) Nele, conhecemos Eva e Willian, a primeira é uma adolescente com uma rotina relativamente calma e o segundo, um vampiro extremamente bonito, forte e apaixonado por ela.

Acontece que com a chegada do vampiro, a rotina relativamente calma da garota se torna 100% agitada e cheia de novidades. A minha maior admiração nesse livro foi a criatividade da autora na história.

No segundo livro, a criatividade continua, junto com a inserção de novos personagens e cenários deixando tudo mais dramático. O primeiro livro terminou com um baita segredo da protagonista e em “Labirinto de Ilusões”, parte dele é revelado e a história começa a tomar forma em torno dele com um ritmo acelerado.


A escrita da Bárbara é incrível e no segundo livro ela trouxe as explicações que precisávamos ao passo que trouxe mais perguntas que só vamos encontrar no último livro. A narrativa também não deixa a desejar, descrevendo cada emoção e aflições da história e os personagens... Ah, os personagens! Todos são um máximo. Cada um com sua característica e seu momento certo na história. O livro não é feito de um casal apaixonado e sobrenatural, os personagens secundários têm visibilidade na história e o objetivo deles é feito em conjunto, deixando a trama sem espaços para dúvidas ou erros.

A autora ainda detalhou todo o mundo dos vampiros: Willian, Edgar e Dante. Falando sobre os clãs, tipos de rainhas, ligações e colocando a história toda em prática em cima dessa explicação. Ou seja, nada cansativo. Pelo contrário, não dava para largar o livro.

E o final... Só lendo pra saber gente, desculpa. Por mais que eu queria contar TUDO. Não posso contar spoiler. LEIAM!

domingo, 21 de fevereiro de 2016

Resenha | STARDUST - O MISTÉRIO DA ESTRELA (Neil Gaiman)



No lugarejo (lugar pequeno, povoado) de Muralha, próximo a Londres, nada é muito excêntrico ou extraordinário. As pessoas são simples e comuns. As casas são normais e sem cores. O que diferencia o lugar de qualquer outro é o muro que cerca o lugarejo. Lá não é permitida a entrada de ninguém e por isso, toda dia a abertura do muro é vigiada por pelo menos dois guardas para impedir que ninguém ouse passar para o outro lado.

"É muito raro que chegue à Muralha alguém que saiba o que está procurando, e essas pessoas às vezes têm permissão para passar. É uma expressão que têm nos olhos: uma vez vista, ela é inconfundível."


No entanto, a cada nove anos, a abertura é liberada para os moradores de Muralha para a feira que é realizada na Terra Encantada, esse nome não existe sem propósito, nessa feira são vendidos objetos encantados. E é lá que começamos nossa história, com fatos importantes para a sequência da história.

Anos mais tarde, vamos ser levados para a história de Tristan Thorn (ah, o nome do personagem no livro é Tristran, mas como li o livro inteiro como Tristan, vou falar assim mesmo), apaixonado pela garota mais bonita do lugarejo, Victoria, ele promete tudo para a garota se ela puder lhe dar um beijo em troca.

Quando ambos avistam uma estrela caindo no chão, Tristan resolve que vai trazer a tal estrela caída para a moça e acredita que com o belo presente vai conseguir a mão de Victoria.

Com uma estrela em jogo, outros personagens e objetivos diferentes, a aventura começa na Terra Encantada.

"Stardust" é uma história muito famosa, muito conhecida, principalmente pelo seu filme. Escrito em 1999, mas adaptado para o cinema em 2007, A história ganhou forma na pele de Charlie Cox (Tristan), Claire Danes (Yvaine), Michelle Pfeiffer (Lamia), Robert De Niro, entre outros. E foi maravilhoso.

A história tem toda uma áurea de contos de fadas, Gaiman usou elementos interessantes na história mas, mesmo tendo um contato com o livro, eu adoro o filme e somado as excelentes atuações, falas divertidas e cenas mais coerentes, minha preferência pelo filme fala mais alto. Enquanto no livro tudo é mais misterioso e às vezes desconexa, o filme apresenta uma trama mais clara. O final também é diferente, mas qualquer um encaixou bem (quem sou eu para discutir), mas o filme apresenta mais ação.

Enfim, ambos são ótimos e recomendo a leitura por ser fácil, rápida e cheia de fantasia. Vale a pena!

segunda-feira, 15 de fevereiro de 2016

Resenha | A SEREIA (Kiera Cass)

A SereiaAnos atrás, Kahlen foi salva de um naufrágio pela própria Água. Para pagar sua dívida, a garota se tornou uma sereia e, durante cem anos, precisa usar sua voz para atrair as pessoas para se afogarem no mar. Kahlen está decidida a cumprir sua sentença à risca, até que ela conhece Akinli. Lindo, carinhoso e gentil, o garoto é tudo o que Kahlen sempre sonhou. Apesar de não poderem conversar — pois a voz da sereia é fatal —, logo surge uma conexão intensa entre os dois. É contra as regras se apaixonar por um humano, e se a Água descobrir, Kahlen será obrigada a abandonar Akinli para sempre. Mas pela primeira vez em muitos anos de obediência, ela está determinada a seguir seu coração.

EDITORA SEGUINTE | 2016 | 328 PÁGINAS | SKOOB 
_________________________________________________________________________________

"Eu quero viver”

Esse é o último pedido da Kahlen quando seu navio subitamente sofre um naufrágio. Quando ela implora pela vida, mal ela sabia que o que a salvou nesse instante, foi o mesmo que causou horror e caos àquelas pessoas que estavam no navio.

A história começa assim e nas páginas seguintes já conhecemos a protagonista do jeito que título do livro propõe - uma sereia - mas diferente das histórias que já vimos por aí (Ariel, lenda da Sereia Iara...), Kiera trouxe um jeito diferente de ver elas.

As sereias são sempre jovens e vivem em função da Água, a Água as salvou dos naufrágios e por isso vivem cerca de cem anos para servi-la através da voz. Essa é uma parte estranha da história, é difícil explicar a relação das sereias com a Água. Escrevo com o “A” maiúsculo, porque ela é vista (eu diria) como uma pessoa. Não tem forma física, não anda por aí, mas “fala” e possui sentimentos, que eu diria até perturbadores. É difícil explicar essa relação estranha, complexa e possessiva, mas faz certo sentido na história.


A outra diferença na história da autora é que as sereias ainda podem andar pela cidade, no entanto, não podem se comunicar com os humanos. Sua voz é perigosa para eles e pode matar. Mesmo assim, com todo o silêncio que a envolve, Kahlen conhece Akinli. Um jovem simpático, doce e bonito. Mesmo hesitante e prezando pela obediência e principalmente faltando somente vinte anos para sua liberdade, a garota resolve passar um tempo com ele.

Não é contra as regras se relacionarem com os humanos, é contra as regras se apaixonarem por qualquer um deles e quando Kahlen percebe o que está acontecendo, ela foge. Mas fugir não é a melhor opção uma vez que aquele sentimento se instalou nela.

O máximo que pode fazer é esconder ao máximo da Água.


“Mas talvez seja possível. Quando se encontra a pessoa certa. Neste momento, estou pensando em viver por você. Só que você nunca, jamais iria saber”. 🍃🐚






Gosto muito da escrita da Kiera Cass, principalmente pela leveza e carisma que ela traz. Nos personagens diferentes que cria. Além disso, foi ótimo conhecer sua escrita fora do universo de “A Seleção”, Kiera mostrou potencial com a série e mostra agora sensibilidade com “A Sereia” e eu já quero mais livros dela.

Se tiver interesse no livro, leia sem pretensão. “A Sereia” não foi feito para mudar sua vida, tampouco criar uma grande reflexão. Aproveite a leitura leve para relaxar e viver um conto de fadas.


Dou nota 4,5 (em 5) porque queria que a autora tivesse desenvolvido mais o final, no entanto, ele não deixa de ser bom.

domingo, 31 de janeiro de 2016

Resenha | AZUL DA COR DO MAR (Marina Carvalho)

Azul da Cor do MarACASO, DESTINO ou LOUCURA? No caso de Rafaela, Pode ser tudo isso junto. Para alguém como ela, nada é impossível.

Rafaela sonha desde a adolescência com o garoto que viu uma vez, perto do mar, carregando uma mochila xadrez... A idéia fixa não a impediu, porém, de ser uma menina alegre e muito decidida.
Ela quer ser jornalista, e seu sonho está se concretizando: Rafaela Vilas Boas (um nome tão imponente para alguém tão desajeitado) conseguiu um estágio no melhor jornal de Minas Gerais. Mas, como estamos falando de Rafa, alguma coisa tinha que dar errado. O jornal é mesmo incrível, mas seu colega de trabalho, Bernardo, não é a pessoa mais simpática do Mundo.


Em meio a reportagens arriscadas – e alguns tropeços -, Bernardo acaba percebendo, contra a sua vontade, que Rafaela leva jeito para a coisa... E que eles formam uma dupla de tirar o fôlego.


Mas e a mochila? E o garoto, o envelope, as cartas? Um dia a estabanada Rafaela vai ter que se libertar dessa obsessão.


EDITORA NOVO CONCEITO (SELO NOVAS PÁGINAS) | 334 PÁGINAS

O nacional "Azul da cor do mar" é um romance leve e divertido que vai contar a história da Rafaela Vilas Boas, ou só Rafa.

Durante dez anos, a garota cultiva um amor que nunca chegou a se concretizar. Isso porque quando ela tinha entre os seus dez/onze anos de idade, durante as férias em Iriri (Espírito Santo) ela viu um garoto na beira do mar de olhos azuis e uma mochila xadrez, desde então ela nunca esqueceu aqueles olhos acompanhados da estampa. Durante dez anos, Rafa sempre escreveu no seu caderno sobre o tal rapaz, mas a vida continua e agora quase formada em jornalismo, ela se vê diante do maior jornal de Minas para uma entrevista de estágio.

Dentro do lugar, ela vai conhecer o Marcelo e o Bernardo, dois homens que vão entrar na sua vida de alguma forma, sendo o último seu supervisor de estágio e que adora implicar com ela. (Ok, isso ficou clichê. Mas o desenrolar da história é bem executado e o final é interessante.).



A autora, Marina Carvalho, é formada em jornalismo e isso colaborou para um enredo mais real, (já que a protagonista está se formando em jornalismo) ela trouxe muito da rotina de um jornal para a história e o foco "jornalismo investigativo" (que a protagonista adora) trouxe cenas mais divertidas e com mais ação, fora isso, seria um livro muito "mamão com açúcar", no entanto, a seriedade que esse trabalho exige somado com o jeito desajeitado da protagonista trouxe um certo humor para a história, além de mostrar que a autora acertou no tom... Nada muito exagerado e nem parado demais.

Tá certo... Agora onde o tal garoto da mochila xadrez se encaixa nessa história? Dentre tantos rapazes na sua agitada vida, será que a Rafa vai encontrar o cara que não sai da sua cabeça?

Em linhas gerais, o livro não traz nada muito novo ou emocionante, mas a leitura é válida (principalmente para os (as) apaixonados (as) incorrigíveis). A escrita é fluida e espontânea, além de nos apresentar um romance leve e divertido.

segunda-feira, 18 de janeiro de 2016

Resenha | COMO EU ERA ANTES DE VOCÊ (Jojo Moyes)





Vem aí: Como eu era antes desse livro.

Hoje resolvi fazer uma resenha diferente. Na verdade não vou nem chamar de resenha, chega a ser mais uma conversa. Uma conversa entre nós, leitores.

Acredito que não faz muito sentido falar demais da história aqui, por diversos motivos, já é uma história conhecida e mesmo que você não saiba do que se trata, sugiro pegar o livro sem conhecimento nenhum sobre ele e se deixar levar pelas emoções.

Como posso iniciar a nossa "conversa" sobre "Como eu era antes de você"? Eu pensava que seria uma história extremamente triste. Grande engano o meu. Não chorei, mas dizer que não me emocionei com a história da Lou e do Will, seria um grande absurdo da minha parte.

A Jojo Moyes me mostrou uma narrativa leve e eu diria que é até divertida, considerando com o que estamos lidando. A ternura e sinceridade com que a história foi contada e o amadurecimento dos personagens me preparou para o final. 

Foi por essa capacidade de aquecer nosso coração com tanta delicadeza que eu me apaixonei pela escrita da autora.

Só posso dizer que me senti dentro do livro também.



Não bastasse me apaixonar pela escrita impecável da autora, ela também me apeguei aos personagens. Sei que eu nunca vou aprender, mas lá pelo meio do livro eu já queria abraçar a Lou e o Will. Bom trabalho, Jojo!

A Lou e o Will foram um dos personagens mais humanos que eu pude ter a chance de conhecer através de um livro, são nobres, puros e com um bom coração. Acredite, um livro pode te ensinar muito mais do que você imagina. Lou nunca teve uma vida com grandes ambições, trabalhava em um café, mas quando ela é demitida, logo é admitida como uma cuidadora. Quando ela conhece Will e o propósito de estar ali, nunca pensou em desistir. Pelo contrário, ela ficou e fez o seu melhor.

"Como eu era antes de você", não é só um romance, é mais que isso. É uma grande questão sobre como a gente vive e vale muito a pena essa reflexão. É admirável.

Não tenho muito o que dizer do livro, não tenho palavras para descrevê-lo. Só posso recomendar a leitura dele e dizer que fiquei muito feliz e satisfeita por finalmente lê-lo.

Até logo, Lou e Will, nos vemos no cinema! (E sim, dessa vez vai ter chororô viu).

sábado, 16 de janeiro de 2016

Resenha | TRILOGIA O TESTE (Joelle Charbonneau)

Lembram quando postei a resenha da Saga Encantadas aqui? Farei o mesmo com a trilogia O Teste, os três livros em um só post, mas sem nenhum spoiler. Podem ler tranquilos.









O TESTE #1

"No dia de formatura de Malencia ‘Cia’ Vale e dos jovens da Colônia Cinco Lagos, tudo o que ela consegue imaginar – e esperar – é ser escolhida para O Teste, um programa elaborado pela Comunidade das Nações Unificadas, que seleciona os melhores e mais brilhantes recém-formados para que se tornem líderes na demorada reconstrução do mundo pós-guerra. Ela sabe que é um caminho árduo, mas existe pouca informação a respeito dessa seleção. Então, ela é finalmente escolhida e seu pai, que também havia participado da seleção, se mostra preocupado. Desconfiada de seu futuro, ela corajosamente segue para longe dos amigos e da família, talvez para sempre. O perigo e o terror a aguardam.

Será que uma jovem é capaz de enfrentar um governo que a escolheu para se defender?"




















Em "O Teste", vemos um mundo pós-guerra devastado pelos sete estágios de guerra e destruição. Agora reconhecido como Comunidade das Nações Unidas Unificadas, que se dividem em colônias.

Todo ano, jovens passam pela formatura e só os mais brilhantes e inteligentes são selecionados para participar do Teste, que tem como finalidade avaliar competências e habilidades dos recém-formados para se tornarem futuros líderes da comunidade.

Ser escolhida é um grande sonho de Malencia. Ela sempre se esforçou e estudou para que um dia, tivesse a grande oportunidade de ser selecionada para o Teste, assim como seu pai foi, décadas atrás. No entanto, toda a lembrança de seu pai é vaga e sua única certeza e conselho é que ela não deve confiar em ninguém.

Passada a cerimônia de formatura, Cia é de fato escolhida, junto com o amigo Thomas.

O que Cia só percebe quando está no Teste, é que ele não é apenas um medidor de conhecimentos teóricos ou práticos. Não é algo tão banal ou simples. Ele vai além disso, o Teste é composto por quatro etapas, que avaliam desde seu conhecimento básico, raciocínio lógico, capacidade de resolver situações adversas e fraquezas, até o instinto de sobrevivência. 

E que qualquer erro exige uma punição.

QUE LIVRO.
QUE HISTÓRIA.

Ufa, falei! Embora tenha notado alguns elementos parecidos com "Jogos Vorazes" e "Divergente" (e isso está sendo falado no box), o livro escrito por Joelle Charbonneau possui certa originalidade. Foi uma leitura muito prazerosa e todas as minhas expectativas quanto ao conteúdo foram atendidas.

Foi bom do início ao fim.



ESTUDO INDEPENDENTE #2


"Você é esperta, Cia. Você é forte. Há pessoas como eu que estão ao seu lado e sabem que vai conseguir. Por favor, prove que estou certo!".

"Estudo independente" é o segundo livro da trilogia "O Teste". E a leitura foi ao todo vapor. Mais uma vez, narrativa exemplar, muitas reviravoltas, história rica em detalhes e desenvolvimento espetacular e nada previsível, não adianta querer descobrir quem é quem na história.

"Estudo independente" possui pouca ação com relação ao primeiro livro, acredito que seja algo como um "reconhecimento da área" ou "estudando o inimigo". Como se fosse uma preparação para o que podemos esperar o último livro.

Limitei meus comentários, pois sendo uma continuação, não quero correr o risco de soltar algum spoiler e nem seria justo isso. Quero que você leia esse livro e seja surpreendido.

Por ora, só digo que continua ótimo.







A FORMATURA #3

Ganhou o título de queridinha da estante. 


De forma bem geral, gostei muito de tudo o que eu li. A história é muito bem desenvolvida e inteligente.

A narrativa não peca nos detalhes e nas emoções dos personagens.

Embora minha única e pequena decepção seja com o final da trilogia. A conclusão foi boa, deixou um quê de promessa dando a entender que a história não acabou e ainda tem muita coisa para acontecer, mas alguns fatos não foram explicados e por gostar tanto da história, eu quis mais. 

Alguns capítulos a mais não faria mal né, Joelle?

Fiquei com gostinho de quero mais.


A edição dos meus livros são econômicas, comprei o box super baratinho no Submarino, para mim não foi problema, mas como sei que vocês gostam de saber, o box é bem frágil sim, mas com relação aos livros, as páginas são amareladas e a fonte das letras são boas, embora sejam mais finos que a edição normal, não me incomodei com isso.