quinta-feira, 19 de novembro de 2015

Como me tornei leitora (e uma dose de saudade)

Oi pessoal, a Jess do blog SAY MY BOOK me convidou para falar sobre como me tornei leitora no blog dela junto com Nise. Esse pergunta faz parte de uma coluna do blog no qual qualquer leitor pode contar sua história. Eu me senti tão bem enquanto preparava meu texto para enviar para elas que decidi compartilhar aqui no meu blog para vocês.

Só aviso que eu empolguei um pouco nas linhas. É assunto que dá pano pra manga viu? 

------------------------------------------------------------------------------------------------------------

Oi leitores!

Meu nome é Tamyres, sou mineira e tenho 22 anos. Hoje vou contar para vocês como me tornei leitora também.

Parece uma pergunta simples, mas quando a gente para e pensa nela tem tantas lembranças que somos capazes de escrever um livro sobre isso.

Eu não lembro exatamente quando comecei a ler livros. Mas lembro da primeira palavra que li. Foi CAFÉ e foi em um shopping com minha família. Parei na frente de um painel e saiu... “Café” de repente. Depois disso lembro que sempre que andava de ônibus com minha mãe eu ficava lendo sem parar as placas de lojas que via pela janela do ônibus.

Esse é só o início. Depois que entrei na escola eu conheci (e não larguei) a biblioteca. Eu sempre preenchia a minha fichinha com os carimbos da bibliotecária (frente e verso hein) e por isso era conhecida como “ratinha de biblioteca”.

Futura escritora?!
Em 2000 eu participei de um projeto da escola junto com vários outros alunos. Escrevemos um livro com uma coletânea de textos e ilustrações. Teve noite de autógrafos (ok, meus pais passaram várias vezes na minha mesa para pegar meu autógrafo) e eu não preciso dizer que fiquei ainda mais encantada com esse universo né? 

Maurício de Souza foi um grande responsável pela minha curiosidade pela leitura. Eu adorava ir para o salão com minha mãe só para ler as revistinhas da Turma da Mônica. E o Almanacão de férias? Que saudade!

“O Mistério do Cinco Estrelas” e “Enigma da Televisão” foram alguns dos livros da série Vagalume que fizeram parte da minha infância. Além deles, a coleção de livros Deltora Quest. E claro... Pedro Bandeira, que não só me conquistou com “A marca de uma lágrima” como também "Os Karas”.

E a lista não para. E os livros da série “Poderosa”? O diário de uma garota que tinha o mundo nas mães... Saudade também!

Mas na minha infância, eu tive um favorito que eu lia TODOS os dias. Seu nome era “Era uma vez uma bruxa”. Olha só a sinopse: Era uma vez uma bruxa chamada Hildegarda que morava numa casa no meio da mata, cheia de morcegos, aranhas e ratos. A bruxa estava cheia de transformar príncipes em sapos gordos e velhos e resolveu viver novas e horrendas aventuras na cidade grande.

Foto da internet porque não tenho mais o livro :(

Que princesa que nada. Eu lia era história de bruxa kkkkkk

Falando em bruxo...

Na altura do campeonato eu preciso confessar uma coisa (por favor, não me abandonem!). Os livros da J.K. Rowling não fizeram parte da minha infância. Na verdade eu cheguei a ler “Harry Potter e a Pedra Filosofal”, mas não dei continuidade e nem tenho os livros. Mas os filmes fizeram parte da minha infância sim e lembro que fiquei com medo da cena final de HP e a Pedra Filosofal, mas isso não vem ao caso rs.

Bom, teve uma época que eu acabei deixando de lado esse hábito. Acontece... São fases da vida.

Talvez eu lesse um livro ou outro, mas foi com “Percy Jackson” que eu retomei esse hábito que chamo de vício. Por isso tenho um carinho enorme por essa série. Depois veio a Meg Cabot com a série “A Mediadora”. Foi por volta dessa época (2010) que criei um blog para postar minhas resenhas. Mas adivinhem? O blog durou só dois anos. Motivo? Ensino médio, ENEM, faculdade... Acontece com todos, paciência.



Mas eu sou brasileira e não desisto nunca. Estou de volta com um blog literário novinho em folha e do jeitinho que gosto (Um Amor de Livro <3).

Enfim, me tornei leitora de forma gradual e natural e o mais importante, por prazer. Amo a sensação que um livro me dá. Aquela de viajar sem sair do lugar.

Por enquanto passei de 55 livros lidos esse ano. Sonho em ter uma estante do chão até o teto (se vier uma escada junto vai ser ótimo, porque tenho 1,57 de altura rs) e amo ter meu cantinho para falar sobre minhas leituras. Esse é um hábito que não vou abandonar nunca e pretendo passar para meus filhos.



Blogs que vou indicar para poder contar pra gente como ser tornou leitor (a):

11 comentários:

  1. Amei, amei, amei teu relato!
    Achei o tema da postagem muito legal, de repente eu faça no meu também (já que eu faço mais resenhas do que falo de outros assuntos hehehe).
    Também vivia na biblioteca na época da escola e perdi o hábito por um tempo e depois retornei e nunca mais larguei.

    Achei bem legal e gostei das tuas fotos também, e tua estante é linda também *-*
    beijo, beijo

    http://apenasimagine.com.br

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Faz sim!!! Eu adorei o tema também!

      Estamos bem parecidas então... Acho que faz parte deixar o hábito um pouco de lado, mas parte das descobertas adolescentes hahaha

      Obrigadaaa!!
      Bjs! ;*

      Excluir
  2. Muito legal seu relato!
    Acho que minha vida no mundo dos livros se deu primeiro por Gibis, Turma da Mônica, Zé Carioca, Chico Bento entre outros infantis. O primeiro livro que eu realmente li e me fez sentir aquela deliciosa sensação de viver a história, de me ver dentro de todas as cenas e compreender tudo o que os personagens sentiam e viviam foi o livro Pantanal - Amor Baguá de José Hamilton Ribeiro.
    Depois eu conheci Isaac Asimov com sua temática futurista dentro do gênero de ficção científica, li primeiro Eu Robô - Robôs , ele fala sobre as leis fundamentais da robótica e mostra um lado mais "humano" dos robôs.
    E depois eu conheci minha paixão pelo suspense em terror quando descobri Stephen King, li A Hora do Lobisomem e fiquei fascinada com a narrativa que ele emprega e como ele faz cada palavra te tirar o fôlego completamente, inclusive uma vez eu estava lendo em casa sozinha, meus pais haviam saído e eu me perdi no tempo lendo naquela época Sombras da Noite dele mesmo, meu pai havia chego e eu não tinha reparado pois estava literalmente com a cara enfiada no livro em uma leitura frenética, ele me chamou e colocou a mão no meu ombro. Se eu tivesse histórico familiar de cardíacos na família com certeza eu teria sido mais uma a ter tido uma parada, eu me assustei tanto que chorava enquanto meu ria sem piedade alguma.

    Achei muito legal seu relato e estou encantada com sua estante, é simplesmente maravilhosa, beijos.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. A frase "todo mundo é leitor, só precisa achar o livro certo" é super verdade né! Quando a gente encontra AQUELE livro, a gente abre a porta para outros, deixa a mente mais aberta. Fico feliz por mim, por você e outros que encontram rápido AQUELE livro <3

      Sobre seu relato, poxa... HAHAHAHAHA eu ia levar um baita susto também, sacanagem é ficar rindo depois. Adorei Patrícia!!! Obrigada pela participação viu?

      Um beijo!

      Excluir
  3. Oie, que relato lindo, gente. Amei sua história é sempre bom conhecermos um pouquinho sobre os blogueiros por ai, e sua estante que linda *-*
    Beijos

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Oi Isa!!! Obrigadaaaa <3

      É a primeira vez que mostro minha estante oficialmente ahahhaah

      Bjs!

      Excluir
  4. Adorei o post, também não li Harry Potter na minha adolescência. Até tentei começar a ler esse ano, mas acho que a magia não funciona mais pra mim rsrs.
    Comecei a ler livros de contos de fadas, gibis da turma da Mônica também e um livro chamado A raposa e as uvas.
    A mediadora é uma das minhas séries favoritas! Lia um atrás do outro.
    Quando eu era pequena não tinha muito acesso a biblioteca, então reli várias vezes o mesmo livro. Meu repertório só foi crescer depois de mais velha, quando pude comprar meus próprios livros e soube ir à biblioteca do bairro sozinha :)
    Adorei o post!
    Beijos!

    http://caindonacultura.com

    ResponderExcluir
  5. OieeeeeeTamyres, tudo bom?
    Muito obrigada por me indicar. Vou começar a fazer o post agora. Aliás, vou poder contar um pouco da história que contei na apresentação do meu tcc, na quarta-feira.

    Adorei a ideia. *-*

    Beijos;**

    http://www.paixoniteliteraria.com.br/

    ResponderExcluir
  6. Nossa, adorei o post, estava pensando em fazer um post semelhante a esse. As fotos que você usou, no post, ficaram ótimas. Parabéns, adorei o post. Abraços.

    ResponderExcluir
  7. Mauricio de Souza acho que influencio boa parte, digo isso porque ele me influencio. Adoro demais ele até hoje.
    Adorei o Post !

    ResponderExcluir
  8. Tamy! Demorei, mas cheguei! Hahahah.
    Aiin, amo essas histórias de como as pessoas conheceram a literatura, fico querendo mudar a minha para que eu tivesse começado a ler mais quando ainda era criança. Não consigo deixar de pensar na quantidade imensa de livros que eu poderia ter lido durante todo esse tempo!
    Compartilho desse seu sonho de ter uma estante do chão ao teto (a escada também, hahah). *-*
    Vou responder lá no blog, obrigada por me marcar!

    Beijos!
    www.naestradadafantasia.com

    ResponderExcluir