domingo, 22 de novembro de 2015

Resenha | Conto "Canção da Rainha" (Victoria Aveyard)

Canção da Rainha.jpg
SINOPSE | Neste conto que se passa no universo da série A Rainha Vermelha, você terá acesso ao diário secreto da rainha Coriane, primeira esposa do rei Tiberias VI e mãe de Cal. Presente de seu querido irmão Julian, o caderno se tornou o único lugar onde a nobre prateada podia desabafar sem que seus pensamentos e emoções fossem usados contra ela.


Ainda jovem, Coriane Jacos foi obrigada a se mudar para o palácio real e lutava para lidar com os perigos e armadilhas do convívio com as outras Grandes Casas. A garota e o então príncipe herdeiro ficaram cada vez mais próximos, provocando a inveja e o ciúme de outras jovens da nobreza, sobretudo Elara Merandus — que tinha o poder assustador de entrar na mente das pessoas. Apaixonado, o príncipe descartou a Prova Real e escolheu Coriane como sua esposa, mas a vida da jovem rainha estava muito longe do tradicional “felizes para sempre"


A Companhia das Letras lançou o e-book do conto “Canção da Rainha”, do livro “A Rainha Vermelha” (resenha aqui) e nele você vai conhecer um pouco mais sobre a rainha Coriane. É interessante entender esse lado já que a rainha foi muito mencionada no primeiro livro da série.

Coriane Jacos é uma cantora e nunca foi de usar seu dom para benefício próprio, o problema é que no mundo que ela vive, quanto mais poderoso você é, melhor. E talvez sua inocência, forma de pensar e bondade, tenha sido o seu maior vilão.

Desde que sua família demostrou falência, ela precisou se mudar para a corte, em Archeon. É em uma festa que ela conhece o príncipe Tiberias. Eles acabam se apaixonando, mas como tradição, o príncipe precisa passar pela Prova Real, competição na qual todas as garotas mais poderosas competem umas contra as outras para ter a honra de casar com o príncipe.

Mesmo assim, o príncipe abre mão da prova e se casa com Coriane, desencadeando uma série de fofocas e fúria das outras concorrentes, principalmente Elara Merandus, uma murmuradora destemida, poderosa e gananciosa.

Após a morte do Rei Tiberias V, o príncipe assume sua função, assim como Coriane, se tornando a Rainha de Norta.

O reinado, no entanto, não é nenhum conto de fadas para Coriane.  Ela escreve em seu diário todos os seus medos, temores, inseguranças sobre Norta, o marido, os pesadelos e perseguições, seu primeiro filho (o Cal!) e inclusive, suas últimas palavras.

Não sei se sou 100% a favor desses contos. Se por um lado acho interessante conhecer um pouquinho mais sobre esse universo que os autores criam, por outro vejo como uma estratégia de arrecadação do autor rs.

Mas deixando essas conspirações de lado, “Canção da Rainha” é um conto que antecede a história contada em “A Rainha Vermelha”.  Acho legal a ideia de ter um conto sobre a Coriane, uma vez que ela foi mencionada no livro de forma um pouco vaga. O conto é bem curtinho e não tem enrolação, mas a parte do diário, que é o mais interessante e talvez mais relevante para o leitor é pouco explorado.  

Mesmo assim, foi um bom passatempo enquanto espero pela continuação.

Nota: 3/5 

quinta-feira, 19 de novembro de 2015

Como me tornei leitora (e uma dose de saudade)

Oi pessoal, a Jess do blog SAY MY BOOK me convidou para falar sobre como me tornei leitora no blog dela junto com Nise. Esse pergunta faz parte de uma coluna do blog no qual qualquer leitor pode contar sua história. Eu me senti tão bem enquanto preparava meu texto para enviar para elas que decidi compartilhar aqui no meu blog para vocês.

Só aviso que eu empolguei um pouco nas linhas. É assunto que dá pano pra manga viu? 

------------------------------------------------------------------------------------------------------------

Oi leitores!

Meu nome é Tamyres, sou mineira e tenho 22 anos. Hoje vou contar para vocês como me tornei leitora também.

Parece uma pergunta simples, mas quando a gente para e pensa nela tem tantas lembranças que somos capazes de escrever um livro sobre isso.

Eu não lembro exatamente quando comecei a ler livros. Mas lembro da primeira palavra que li. Foi CAFÉ e foi em um shopping com minha família. Parei na frente de um painel e saiu... “Café” de repente. Depois disso lembro que sempre que andava de ônibus com minha mãe eu ficava lendo sem parar as placas de lojas que via pela janela do ônibus.

Esse é só o início. Depois que entrei na escola eu conheci (e não larguei) a biblioteca. Eu sempre preenchia a minha fichinha com os carimbos da bibliotecária (frente e verso hein) e por isso era conhecida como “ratinha de biblioteca”.

Futura escritora?!
Em 2000 eu participei de um projeto da escola junto com vários outros alunos. Escrevemos um livro com uma coletânea de textos e ilustrações. Teve noite de autógrafos (ok, meus pais passaram várias vezes na minha mesa para pegar meu autógrafo) e eu não preciso dizer que fiquei ainda mais encantada com esse universo né? 

Maurício de Souza foi um grande responsável pela minha curiosidade pela leitura. Eu adorava ir para o salão com minha mãe só para ler as revistinhas da Turma da Mônica. E o Almanacão de férias? Que saudade!

“O Mistério do Cinco Estrelas” e “Enigma da Televisão” foram alguns dos livros da série Vagalume que fizeram parte da minha infância. Além deles, a coleção de livros Deltora Quest. E claro... Pedro Bandeira, que não só me conquistou com “A marca de uma lágrima” como também "Os Karas”.

E a lista não para. E os livros da série “Poderosa”? O diário de uma garota que tinha o mundo nas mães... Saudade também!

Mas na minha infância, eu tive um favorito que eu lia TODOS os dias. Seu nome era “Era uma vez uma bruxa”. Olha só a sinopse: Era uma vez uma bruxa chamada Hildegarda que morava numa casa no meio da mata, cheia de morcegos, aranhas e ratos. A bruxa estava cheia de transformar príncipes em sapos gordos e velhos e resolveu viver novas e horrendas aventuras na cidade grande.

Foto da internet porque não tenho mais o livro :(

Que princesa que nada. Eu lia era história de bruxa kkkkkk

Falando em bruxo...

Na altura do campeonato eu preciso confessar uma coisa (por favor, não me abandonem!). Os livros da J.K. Rowling não fizeram parte da minha infância. Na verdade eu cheguei a ler “Harry Potter e a Pedra Filosofal”, mas não dei continuidade e nem tenho os livros. Mas os filmes fizeram parte da minha infância sim e lembro que fiquei com medo da cena final de HP e a Pedra Filosofal, mas isso não vem ao caso rs.

Bom, teve uma época que eu acabei deixando de lado esse hábito. Acontece... São fases da vida.

Talvez eu lesse um livro ou outro, mas foi com “Percy Jackson” que eu retomei esse hábito que chamo de vício. Por isso tenho um carinho enorme por essa série. Depois veio a Meg Cabot com a série “A Mediadora”. Foi por volta dessa época (2010) que criei um blog para postar minhas resenhas. Mas adivinhem? O blog durou só dois anos. Motivo? Ensino médio, ENEM, faculdade... Acontece com todos, paciência.



Mas eu sou brasileira e não desisto nunca. Estou de volta com um blog literário novinho em folha e do jeitinho que gosto (Um Amor de Livro <3).

Enfim, me tornei leitora de forma gradual e natural e o mais importante, por prazer. Amo a sensação que um livro me dá. Aquela de viajar sem sair do lugar.

Por enquanto passei de 55 livros lidos esse ano. Sonho em ter uma estante do chão até o teto (se vier uma escada junto vai ser ótimo, porque tenho 1,57 de altura rs) e amo ter meu cantinho para falar sobre minhas leituras. Esse é um hábito que não vou abandonar nunca e pretendo passar para meus filhos.



Blogs que vou indicar para poder contar pra gente como ser tornou leitor (a):

segunda-feira, 9 de novembro de 2015

Lançamento | Entre 3 Mundos - Lavínia Rocha (Editora D'Plácido)


OBA! Mais um lançamento da editora D'Plácido vindo por aí! "Entre 3 Mundos" é o terceiro livro da autora Lavínia Rocha, e com uma capa linda dessa promete vir coisa boa por aí. Seu novo livro vai trazer um misto de fantasia com romance (nem gosto, imagina!). <3

O lançamento está previsto para o dia 14 de novembro aqui em Belo Horizonte, se você é mineiro ou está por aqui para passeio (!!!). Você pode conferir todas as informações no perfil do instagram da Lavínia (@laviniarocha).

Ou no facebook da Editora D'Plácido.



SINOPSE | Há algumas décadas, o Brasil vivia intensos conflitos entre pessoas normais e pessoas com dons extraordinários. Visando a paz no país, as autoridades o dividiram em dois territórios – o do Norte e o do Sul – e assinaram um contrato proibindo a migração de uma região para a outra.


Alisa é de uma família do Norte, mas foi identificada como pertencente ao Sul e precisa esconder a verdade de ambos os mundos. Além de quebrar o contrato toda semana para visitar seus pais, Alisa enfrenta problemas comuns da adolescência: acha seu próprio nome bizarro, gosta do cara errado e é a única pessoa que não percebe o quanto seu melhor amigo é apaixonado por ela.

A vida de Lisa (como prefere ser chamada) se transforma completamente com um grande acontecimento no colégio e, agora, ela se vê diante de um desafio envolvido pela descoberta do amor e da sua verdadeira identidade.



Curiosidade define já. Conheci a escrita da Lavínia com "De olhos fechados" e amei. Ela tem uma sensibilidade enorme na sua escrita. Sabe colocar mistério, romance, diversão na medida certa. "Entre 3 Mundos" já está na minha wishlist literária <3

domingo, 8 de novembro de 2015

Projeto | 6 on 6 - dia nacional do riso

Você sabia que dia 06 de novembro é o dia nacional do riso? Eu não sabia! :x Com essa descoberta,  eu e as meninas do projeto resolvemos trazer seis indicações de livros que nos fizeram rir, gargalhar, pois não tem coisa melhor do que se divertir com uma leitura.


Como não escolher "Anexos", da Rainbow Rowell? Foi uma das resenhas mais divertidas que fiz esse ano, se você não conferiu, clique aqui. Amei a escrita da autora, e "Anexos" me conquistou pela narrativa diferente e personagens divertidos.


Já imaginou o Hitler nos tempos atuais? Pois é disso que "Ele está de volta" se trata. É uma sátira sobre a volta do Hitler em uma Alemanha totalmente diferente do que era antes.  A comédia em si está na arrogância e confusão do ultrapassado Hitler sobre coisas tão comuns para nós, hoje em dia. 


Foi um dos últimos livros que li que me proporcionou boas risadas, por isso está aqui. "O Projeto Rosie" começa lento, quase parando, até a chegada da Rosie na história. Divertidíssimo. 



Ahhh, esse é o livro que me conquistou pela capa e sinopse. Imagina uma situação onde cinco velhinhos estão insatisfeitos com a condição atual do asilo e resolvem cometar assaltos para parar numa prisão sueca, que aparentemente apresenta condições muito melhores! Não terminei de ler o livro ainda, mas não pode deixar de aproveitar a chance para indicar ele aqui. 


Assim como a Mari, do Na estrada da Fantasia, também acho que vai chover Sophie Kinsella esse mês. Basicamente, estou indicando a autora. Mas se quiserem saber, dela, indico "Fiquei com o seu número", "Menina de Vinte" e "Samantha Sweet, Executiva do lar". Foram os primeiros livros que li dela e eu amo! O último livro que li da autora é "À procura de Audrey" seu primeiro YA. Com um toque de drama, ela não perdeu a graça e soltei muitas gargalhadas com esse livro. Indico 1000x sempre! :)


Outro que ri bastante foi "Faça seu pedido", da Mandy Hubbard. A história é clichê. Confesso! Mas a forma como ela é contada é engraçada e muito divertida. Acontece que a protagonista faz 16 anos, e na sua festa ele deseja que todos os seus desejos antigos se realizem. Li em um dia!

Confira as fotos das blogueiras participantes:
Livy (no mundo dos livros) | Lu (psicose literária) | Mari (na estrada da fantasia) | Ana e Bia (na sua estante) | Mile (books on first)

segunda-feira, 2 de novembro de 2015

Leituras do mês | outubro

Outubro foi um mês de poucos livros, porém, houve uma mistura de gêneros. Teve romance, drama, terror, livro para chorar, livro para rir.


Para Sempre Alice, Lisa Genova: história extremamente comovente e disse na resenha e vou repetir aqui, nunca me senti tão angustiada e triste como me senti durante esse livro. Acompanhar a história da Alice depois do diagnóstico do Alzheimer precoce te faz pensar em muitas coisas. Recomendo!
Nota: 4/5
Resenha aqui.

A Mulher de Preto, Susan Hill: Foi a minha escolha para ler no mês do terror, porém, é pouco assustador esse livro, (mas eu juro que senti uma coisa no dedão do meu pé quando fui dormir!!!). A escrita é boa e o enredo bem estruturado. 
Nota: 3,5/5
Resenha aqui.

Passarinha, Kathryn Erskine: "Passarinha" é um livro lindo! Lindo mesmo. Conta a história de uma garotinha com Síndrome de Asperger. É o tipo de livro que deve ser lido por todos! Prometo postar logo a resenha aqui para vocês saberem mais um pouquinho da história!!!
Nota: 5/5 + favorito

O Projeto Rosie, Graeme Simsion: Esse é um livro que definitivamente me conquistou aos poucos. Logo no início eu queria dar um chute no personagem principal, mas aos poucos fui me envolvendo e gostando cada vez mais da história. Me diverti bastante.
Nota: 4/5


domingo, 1 de novembro de 2015

Resenha | A Mulher de Preto (Susan Hill)

A Mulher de Preto


SINOPSE | O jovem advogado Arthur Kipps, foi enviado a cidade mercante de Crythin Gifford para verificar os documentos e os papéis particulares da recém-falecida Sra. Alice Drablow, uma viúva idosa que vivia sozinha na solitária e afastada Casa do Brejo de Enguia. Enquanto trabalha na casa, Kipps começa a descobrir seus trágicos segredos. A situação piora quando ele entende que o vilarejo é refém do fantasma de uma mulher magoada, em busca de vingança.



A história tem início quando Arthur Kipps, um advogado já aposentado se reúne com sua esposa e filhos para celebrar a época natalina. Quando seus filhos o chamam para contar alguma história de fantasma ele recua e aquilo parece despertar a pior das lembranças que aconteceram com ele anos atrás. Totalmente perturbado pelas lembranças, ele decide escrever sua experiência a fim de livrá-lo desses sentimentos.

Quando jovem, Kipps era um advogado ávido por novos trabalhos e reconhecimento, quando seu chefe o envia para a pequena Crythin Gifford para comparecer ao enterro e cuidar dos pertences da falecida Sra. Drablow aquilo parece – à primeira vista – uma grande oportunidade. Mas seu motivo de estar ali provoca um clima de receio e aflição entre os moradores.

No enterro, o advogado avista uma mulher de preto que permanece distante de todos. Sua imaginação lhe diz que ela é uma mulher doente e amiga da Sra. Drablow que só quis prestar condolências, mas quando ele citou a tal mulher para seu amigo, aquele se tornou apreensivo e cabisbaixo, porém, nada foi revelado para o jovem advogado e tudo o que ele podia fazer era continuar o seu trabalho.

Os pertences em questão ficam na Casa do Brejo da Enguia, uma região distante e de difícil acesso. Logo na sua primeira passagem, o advogado passa por uma experiência que o deixa exausto mentalmente quase o fazendo desistir de tudo. 




"A Mulher de Preto" não é aquele livro que vai te fazer ter pesadelos, sua narrativa proporciona mais curiosidade e uma leve tensão. Durante a leitura fiquei esperando por aquele momento que eu teria que fechar o livro, respirar fundo e voltar a leitura. Não aconteceu... Mas gostei da história, o mistério me envolveu e é uma leitura extremamente fácil e a escrita da autora é ótima, dá a sensação de que tem alguém do seu lado te contando a história.

Quando Kipps encaixa os acontecimentos da Casa do Brejo da Enguia gradualmente e quando isso acontece, a história se torna interessante e bem estruturada. 

Não esperava muito desse livro. Sempre tive vontade de lê-lo por causa da capa, e era meu único livro de terror na estante quando eu e minhas amigas decidimos escolher um livro do gênero para a nossa leitura coletiva do Halloween. E apesar das críticas quanto à quantidade de susto no livro, o livro me agradou bastante no que diz o conjunto da obra (ambientação, descrição, narrativa, diagramação, enredo).

Pretendo em breve ver o filme, pois dizem que o final é diferente e umas das coisas que me chocou bastante no livro foi o final... Curto e grosso.

Considero esse livro mais uma história triste do que propriamente de terror.  Não sou uma grande leitora de livros de terror, sendo assim, não tenho nenhum grande título para fazer parâmetro com "A Mulher de Preto".

Nota: 3,5/5
Editora: Record | 208 páginas

Confira as outras resenhas:
Resenha da Lu (@lufassis14) - Psicose