sexta-feira, 29 de maio de 2015

Resenha | Antes de Dormir - S. J. Watson

Antes de DormirTodas as manhãs, Christine acorda sem saber onde está. Suas memórias desaparecem todas as vezes que ela dorme. Seu marido, Ben, é um estranho. Todos os dias ele tem de recontar a vida deles e o misterioso acidente que tornou Christine uma amnésica. Encorajada por um médico, ela começa a escrever um diário para ajudá-la a reconstruir suas memórias mas acaba descobrindo que a única pessoa em quem confia talvez esteja contando apenas parte da história.
"Antes de dormir" é o livro de estreia de S.J. Watson, lançado aqui pela Galera Record. E já tem uma adaptação no cinema com autores como Nicole Kidman e Colin Firth

Imagine você, acordando sem saber onde está? Com quem está? Pior, sem saber sobre você mesma, para logo em seguida saber que você sofreu um acidente e que perdeu anos da sua vida. Christine Lucas precisa lidar com um ciclo na sua vida. Sempre quando ela acorda, precisa lidar com a ideia de que agora é uma mulher com 47 anos que não retém nenhum tipo de memória.

Todos os dias ela acorda com um homem chamado Ben. Ele sempre explica tudo o que aconteceu com ela, é muito dedicado. Sempre a mesma rotina. Quando ele sai para trabalhar, Christine recebe uma ligação de um médico, o Dr. Nash, que lhe explica que ele está trabalhando para ajudar a recuperar sua memória. Para isso, ela a lembra que ela passa a escrever em um diário tudo o que descobre, desde as coisas que faz a tudo o que os outros ao seu redor dizem. 

Depois da ligação, Christine pega o diário para ler e a primeira linha que é apresentada ao leitor, fora o nome da protagonista, é a frase: "NÃO CONFIE EM BEN". Escrito em letras grandes e legíveis. O que me condicionou a desconfiar do marido imediatamente, mas as atitudes dele muitas vezes me fizeram pensar o contrário. Realmente entrei em um jogo de desconfiança entre tudo e todos. Durante a leitura das páginas do diário, dúvidas começam a surgir. As perguntas iniciais "o que está havendo?", "quem é você?" começam a tomar outros significados, se tornam mais profundas e mais reveladoras.

Além de viver um mundo de descobertas diariamente, Christine também vive com suas desconfianças. Ela vê a dedicação do marido com ela, mas não consegue criar um laço com Ben, não consegue enxergá-lo com carinho. A medida que ela vai lendo seu diário, sentimentos como culpa, ódio, amor, saudade  não saem da sua cabeça. 

A minha única ressalva é que livros que contém o assunto amnésia, acabam se tornando repetitivos demais e com "Antes de dormir", não foi diferente. Mas o suspense é tanto que a gente quer porque quer continuar lendo e descobrir o que vai acontecer.

No entanto, a narração é muito boa e apesar da repetição, não se torna cansativa, pois achei que tem até um ritmo acelerado e com muitas reviravoltas. Nas partes finais do livro, acho que foi meu coração que acelerou. Essas páginas são de tirar o fôlego, quando tudo começa a fazer sentido e fiquei com o sentimento de: fui enganada! Um final eletrizante, mas um pouco aberto, deixando o imaginário de leitor agir. Achei um livro genial! Agoniante, instigante e muito perturbador. Quem gosta de thrillers psicológicos/suspense, acredito que vai gostar do livro também! 

sábado, 23 de maio de 2015

Livro x Filme | Simplesmente Acontece

Foto retirada do Google
Livro: Simplesmente Acontece, (também conhecido como Onde terminam os arco-íris) - Cecelia Ahern, 448 páginas. 

Sinopse:
Simplesmente AconteceO que acontece quando duas pessoas que foram feitas uma para outra simplesmente não conseguem ficar juntas? Todo mundo acha que Rosie e Alex nasceram para ser um casal. Todo mundo menos eles mesmos. Grandes amigos desde criança, eles se separaram na adolescência, quando Alex se mudou com sua família para os Estados Unidos. Os dois não conseguiram mais se encontrar, mas, através dos anos, a amizade foi mantida através de emails e cartas. Mesmo sofrendo com a distância, os dois aprenderam a viver um sem o outro. Só que o destino gosta de se divertir, e já mostrou que a história deles não termina assim, de maneira tão simples. 

Filme: Simplesmente Acontece/ Love, Rosie. 
Trailer legendado do filme:



Conheci o livro através do trailer do filme, quando estava de bobeira no youtube e vi a imagem dos atores Lilly Collins e Sam Clafin. Quando terminei de ver, duas coisas me encantaram. A história em si, pesquisei e vi que TINHA LIVRO!! A outra coisa que me encantou, foi a música High Hopes, da banda Kodaline. Baixei a música e devo ter escutado pelo menos umas 20 vezes seguidas em poucas horas. Amei a letra e a melodia e até hoje ela ainda toca na minha playlist.

Quanto ao livro, estranhei as primeiras páginas, porque só lia bilhetes, e-mails, cartas e achava que tava lendo o livro errado. Foi difícil me acostumar com esse tipo de narração, mas depois tudo foi fazendo sentido e eu finalmente entrei no ritmo da leitura e me apaixonei.

Achei a história linda e querendo ou não, possível de acontecer com qualquer um. Quantos desencontros podemos contabilizar ao longo da nossa vida? E quantas vezes queremos algo e nunca procuramos ao nosso lado, na nossa frente. Não é só com relação ao amor, pode ser também, mas com o que nós queremos realmente. E ainda mais, quantas vezes deixamos tudo como está por puro comodismo? Pra mim, a mensagem que o livro passa é essa. Me encantei com a história, mas não pude deixar de me sentir triste. Cinquenta anos de espera, cinquenta anos para poder finalmente se sentir realizada e feliz...

Rosie e Alex foram super bem interpretados por Lilly Collins e Sam Clafin, (e o sotaque britânico). Embora a história passou bem corrida no filme, entendo perfeitamente bem que é difícil traduzir tantos anos sem deixar qualquer detalhe para trás, eu entendo e perdoo isso. E se eu fiquei triste, insatisfeita e deprimida com o final do livro, me senti realizada com o final do filme hehehe. Por mais que não foi possível passar todos os anos dos personagens, conseguiu transmitir a dor e todo o sentimento dos dois. Eu sorri, chorei e me envolvi com a história, tanto no livro, quanto no filme. E também amei a trilha sonora!

Simplesmente Acontece, apesar de ter um tom leve e calmo, passa uma mensagem bonita e de forma simples. Você deve correr atrás daquilo que quer. É bem aquele ditado: melhor tentar e errar do que se arrepender por nunca ter feito. Super recomendo essa história linda e emocionante.

"Eu lembro disso agora, isso me leva de volta para quando tudo começou,
mas eu só tenho a mim mesmo para culpar, e eu aceito isso agora
É hora de se libertar, sair e começar de novo,
Mas não é tão fácil assim
Mas eu tenho grandes esperanças"
(High Hopes)

sábado, 9 de maio de 2015

Resenha | Labirinto de Espelhos – Bárbara Negrão

Quando a estudante Eva Lins conhece o misterioso e sedutor Willian não imagina quais segredos ele podia esconder por trás de tanta beleza. Que ele é perigoso, ela pôde ver em seus olhos desde a primeira vez que se encontram, porém, a vontade de estar junto a ele é maior do que qualquer pressentimento que a jovem possa ter. Chocada pelas revelações, e ao mesmo tempo atraída e fascinada por todo o mundo novo que envolve Willian, Eva não se deixa intimidar e se entrega à história que promete ser a mais emocionante de toda sua vida, sem imaginar que mais mistérios estão para serem revelados. 

Já vou falar de uma vez: Labirinto de Espelhos é um romance sobrenatural que envolve uma humana e um vampiro. Parece comum, certo? Errado! A história contada pela Bárbara Negrão possui pontos interessantes e um enredo original com um toque inovador que se destaca de outras obras do gênero. Com personagens cativantes, momentos que arrancam suspiro, choque e a curiosidade do leitor (a). 


Willian é um vampiro experiente e forte, mas apesar da sua natureza, ele sonha com uma garota, no qual ele não sabe seu nome, não consegue falar com ela e só sente o seu cheiro. Ele passa longos anos sonhando com essa garota sem nem ao menos saber se ela de fato existe.
“ (...) sempre que me encontrava dentro de meus sonhos era uma experiência nova e surpreendente”.

Eva mora em uma cidade pequena e está arrasada porque seu melhor amigo a deixou sem nenhuma explicação aparente. Ela não suporta as perguntas que vai ter que responder pelo sumiço repentino do amigo e muito menos a ideia de ter perdido o único elo que representa a amizade dos dois. 

“ (...) o que mais me incomoda e dói com toda certeza é a saudade. Saudade do meu amigo. Meu melhor amigo”.

Eva precisa encarar a sua rotina de aulas após as férias normalmente com o apoio de suas amigas, mas tudo muda com a presença de um novo aluno. Novos ânimos, novos ares, um novo rosto... E que rosto! O novo aluno é lindo e charmoso e atrai olhares e suspiros pelos corredores da escola. Mas parece que ele só tem olhos para Eva. Ela nem imagina como fez isso, mas o que ela não sabe é que proporciona a ele, o que a eternidade há muito tempo, tirou dele. Mas o destino ainda vai surpreender muito os dois.

E aí está um ponto interessante da história, um diferencial. O encontro dos dois tem um fundamento. Willian sempre sonhou com a garota e finalmente ela está na sua frente. Eva, por sua vez, está abalada emocionalmente e é normal uma garota assim se apaixonar perdidamente, ainda mais quando o novato é caracterizado dessa forma através da troca de bilhetinhos entre amigas:
“Quão Gato? Mona
GATO, GATO, GATO.
Preciso de uma nota para mensurar a beleza e imaginar. De zero a cem, quanto? Mona
Um zilhão. ”.
Ou assim:
"Ele parecia tão confortável ao mesmo tempo que não combinava em nada com o ambiente ao seu redor. Muita beleza para pouco espaço. Era como ter um quadro legítimo de Leonardo da Vinci pendurado na parede do meu quarto." 

O meio do livro desenvolve a rotina do novo casal e a vida de Eva com uma escrita morna e linear. A história não tem muitas mudanças bruscas a apresenta o cotidiano de uma vida escolar e um casal apaixonado de forma simples e envolvente. Exceto pelas descobertas que acompanhamos ao longo da leitura. Eva é curiosa e quer saber onde está se metendo. Gostei da sua personalidade, Bárbara soube colocar um meio termo, sem fazer com a garota seja uma sabichona chata ou uma completa apaixonada que faz tudo que os outros mandam. Do meio para o final, a narrativa toma um rumo mais agitado, trazendo à tona mais revelações, mais aventura e empolgação para a trama. É onde entra novas histórias e personagens.



Um dos (muitos) pontos positivos para mim, foram os diálogos, muitos deles foram divertidos. Suspirei com os momentos românticos, me identifiquei com a amizade de Eva, Beka, Mona e companhia e suas trocas de bilhetinhos. E fiquei apreensiva com brigas e revelações. Tudo foi muito bem contado e encaixado ao longo da história. O título então, você passa a compreender mais no final a sua existência.

Além disso, também apreciei os personagens secundários. Por mais que o foco seja em Eva e Willian, eu gostei muito de ver a relação entre mãe e filha. E conhecer Edgar, o irmão de Willian. Ainda estou formando minha opinião sobre ele, o acho um tanto quanto curioso e igualmente atraente.

Me encantei por Labirinto de Espelhos até a última linha e quando terminei de ler, só pude pensar: Quero mais! A forma como acabou, me deixou mais ansiosa e empolgada! A autora possui uma escrita muito envolvente e uma originalidade a parte. Além dos bons diálogos, pelo menos para mim, a Bárbara conseguiu fazer com que os personagens conseguissem passar suas emoções para fora das páginas. 

Labirinto de Espelhos me surpreendeu e por isso recomendo muito a leitura!
#QueVenhaOSegundo!!


Confira o Book trailer <3




sexta-feira, 8 de maio de 2015

Resenha | Ratos – Gordon Reece

Shelley e a mãe foram maltratadas a vida inteira. Elas têm consciência disso, mas não sabem reagir — são como ratos, estão sempre entocadas e coagidas. Shelley, vítima de um longo período de bullying que culminou em um violento atentado, não frequenta a escola. Esteve perto da morte, e as cicatrizes em seu rosto a lembram disso. Ainda se refazendo do ataque e se recuperando do humilhante divórcio dos pais, ela e a mãe vivem refugiadas em um chalé afastado da cidade. Confiantes de que o pesadelo acabou elas enfim se sentem confortáveis, entre livros, instrumentos musicais e canecas de chocolate quente junto à lareira. Mas, na noite em que Shelley completa dezesseis anos, um estranho invade a tranquilidade das duas e um sentimento é despertado na menina. Os acontecimentos que se seguem instauram o caos em tudo o que pensam e sentem em relação a elas mesmas e ao mundo que sempre as castigou. Até mesmo os ratos têm um limite.


Ratos é um livro com um enredo tenso e uma narrativa (feita pela protagonista) calma e sombria. Shelley passou longos oito meses sofrendo bullying na escola. Ela sempre teve consciência disso, mas nunca soube exatamente como reagir a isso. Ela se compara com a personalidade de um rato, pois sempre pensou que precisava abaixar a cabeça e fugir dos gatos. Nunca contou nada para ninguém até que os ataques ficaram sérios e colocando sua vida em risco, ela possui cicatrizes que sempre a lembram desses momentos terríveis. Desde então, ela e sua mãe - Elizabeth - resolvem se mudar para uma casa isolada da cidade (como ratos). O que elas não esperavam, na verdade, é que essa paz que elas tanto desejam, não vai permanecer por tanto tempo e que o pesadelo está só começando, resta saber como sair dele.

A narração é em primeira pessoa, e com isso o leitor acompanha não só os passos de Shelley como também seus pensamentos e mudanças. Todo momento eu me sentia angustiada e com raiva. E ao mesmo tempo em que eu criei uma simpatia pelas duas, e também as condenava. Não conseguia entender elas. E é uma total contradição isso, já que inconscientemente a gente torce por algo que é errado, um errado que pelo ponto de vista de mãe e filha parece certo, mas lá no fundo da nossa mente a gente sabe que é errado. E isso é muito angustiante.



Considero o livro um thriller que trabalha o estado psicológico da mãe e filha e nos mostra, como - infelizmente - acontecimentos podem mudar uma pessoa e despertar sentimentos que nem sabemos que podem existir, ainda que essa pessoa seja frágil e insegura. Achei surpreendente o desenrolar da história. O rumo e as reviravoltas a cada capítulo. O livro é bem curtinho e a história intensa, eu não quis largar ele de jeito nenhum, não até que descobrisse o que aconteceria.

Thriller/terror não é o gênero que predomina na minha estante, mas depois de ver vários elogios e indicações de Ratos, decidi dar uma chance e juro que não me arrependi. Fiquei extasiada e concentrada no livro durante toda a leitura, se não depois dele também. Achei fantástico o que o autor escreveu. As cenas descritas são muito perturbadoras e tão bem contadas que parece surgir um filme em nossa mente.

Fora o trabalho maravilhoso da editora Intrínseca, o cuidado e os detalhes da capa. As folhas também estão ótimas, diagramação, bom espaçamento. Ratos foi a minha grande surpresa até então. Super indicado!

Lá no instagram, me marcaram na TAG #1LivroEm10Emojis (criada pelo @bookboxbrasil - mais criativo que ele só dois dele, sofri pra fazer a TAG, mas amei!!) e o resultado foi esse:


A ordem dos emojis não tem nada a ver com o rumo que a história toma, justamente para não influenciar a leitura de ninguém. 

segunda-feira, 4 de maio de 2015

Parceria | Editora D'Plácido

Um dia lindo em BH...
O blog tá crescendo pessoal, fico muito feliz por isso, mas não seria possível sem a ajuda de vocês... Por isso, já adianto o meu muito obrigada, por tudo. Que felicidade!

Hoje fico feliz de falar para vocês que a mais nova parceria do blog, é a Editora D'Plácido. Ela é daqui de Belo Horizonte (uai!). E publica principalmente, títulos jurídicos e outras áreas, mas calma que eu não vou começar a falar sobre leis trabalhistas, tributos, o 5º artigo da Constituição Federal.

É que a Editora D'Plácido também publica romances de jovens autores que falam sobre amor, amizade e aventura, e o trabalho que eles fazem é incrível. Principalmente o design dos livros, que me encanta demais e já deixa um gostinho do que podemos esperar da história a partir da capa. Os livros deles são publicados no formato impresso e digital simultaneamente.


Conheça alguns romances:
De Olhos Fechados - "Ignorar é a solução" foi o que pensou Cecília quando alguns papéis começaram a surgir no seu quarto, na bolsa e nos seus livros. O que seriam aquelas ameaças e informações sem nexo? Quem estaria mandando? Como se não bastasse, a cada que os lê, uma imagem passa em sua mente. Talvez isso pudesse ser menos estranho se Cecília não fosse cega desde o dia que nasceu.
Para desorganizar ainda mais sua vida, Tiago - o garoto novo da escola - começa a balançar seu coração e a faz com que sinta o que ela jamais sentiu. Sua dificuldade agora é acreditar no que sempre tentou passar às pessoas: ser cego não é sinônimo de limitação e tristeza. 
Entre os desafios do dia-a-dia e da adolescência, Cecília se vê envolvida em um mistério que pode afetar sua vida e de todos os belo-horizontinos, e ela não vai descansar até descobrir - e entender - um grande segredo do passado da cidade que os livros de História jamais ousaram contar.

Um Amor, Um Café & Nova York - Camila sempre teve um grande sonho: viver um grande amor, como um desses de cinema. Ela só não imaginava que teria isso e muito mais, logo que conheceu Guilherme. Na véspera do aniversário de 3 anos de namoro do casal, e do aniversário de 19 anos de Camila, Guilherme surge com uma surpresa que mudaria pra sempre o romance e a vida do casal: uma viagem de um mês para Nova York. O que ele não sabia é que esse era mais um dos grandes sonhos de Camila, que vai fazer de tudo para que essa seja a melhor viagem deles. Porém, Nova York possui brilhos demais. Poderia algum deles ofuscar o do casal?

Triângulo de Quatro Lados - "Unhas mal pintadas de preto e camisas de bandas. Ela ama O Diário de Bridget Jones, chocolate, e a banda Misfits. Odeia trovões, lágrimas, e ser chamada de criança. Sara Alcântara tem 17 anos e, como qualquer garota de sua idade, tem um relacionamento de amor e ódio com a mãe, com seus estudos, e com a própria vida. Ama suas amigas, que são seu suporte, e sua base. Tira boas notas na escola, por obrigação, mas deseja ser artista, porque pintar é sua verdadeira vocação.
Até aquela paixão adolescente, platônica, ela possui. Ele tem nome, sobrenome, e grau de parentesco. Rodrigo Guano é seu primo, e sonho de consumo de toda a população feminina da pequena cidade de Santa Fé, onde moram. Tudo muda quando ele a beija pela primeira vez. Então o mundo pode acabar, regimes podem cair, terremotos podem engolir a terra em rachaduras intermináveis, e Sara ainda estaria feliz. Ou assim ela pensa ser, até que viaja para Paris, para passar as férias. Quando volta, tudo está diferente, inclusive ela. Sara se vê inserida num triângulo amoroso... Ou seria um quadrado?"



Se você gostou, entre no site da Editora e curte a sua página no facebook!

http://www.livrariadplacido.com.br/
https://www.facebook.com/editoradplacido 

sábado, 2 de maio de 2015

Resenha | Invisível - David Levithan + Andrea Cremer

Stephen é um cara invisível, literalmente invisível. Não aqueles adolescentes que preferem ficar trancados em seus quartos só no fone de ouvido e longe do mundo. Diferente de Elizabeth, a sua nova vizinha que deseja essa 'invisibilidade' depois do que seu irmão, Laurie, sofreu ataques homofóbicos. Só que na verdade, Stephen não desejou isso, nunca desejou. Ele não teve a chance de escolher, pois ser invisível é parte de uma maldição de seu avô, Maxwell Arbus - um poderoso conjurador - muito antes dele nascer.


O pai de Stephen fugiu e ele perdeu a mãe, e se vê sozinho por aí, uma vez que eles são os únicos que sabem sobre a maldição. Mesmo que nenhum dos dois possam vê-lo, ao menos sabem da sua existência. Agora ele não tem nenhum dos dois. Até que a nova vizinha, Elizabeth, simplesmente consegue enxergá-lo. Quando os dois se esbarram no corredor do prédio, derrubando todas as compras da garota, ela se questiona porque ele é tão mal educado que não a ajuda a pegar as sacolas do chão. E ele assustado, questiona como ela consegue vê-lo. A partir dai, surge uma amizade (e atração) entre dois.

Quando Elizabeth descobre tudo, eles procuram uma forma de acabar com essa maldição (ok, essa parte ficou muito cara de sessão da tarde). Mas eles acabam se aprofundando demais e descobrem além. Elizabeth é uma rastreadora e consegue enxergar as maldições nas pessoas. Existem maldições boas, algumas leves e outras terríveis e sabe também que existiu um tipo de batalha entre conjuradores e rastreadores e que poucos da sua espécia resistiram. Mas eles encaram qualquer desafio que possa aparecer para que de alguma forma, tudo termine bem (ops, sessão da tarde de novo).

Confesso que demorei para engatar na leitura, mas quando isso aconteceu, eu adorei! Foi o primeiro livro que li do David Levithan e da Andrea Cremer, não conheço o trabalho aprofundado de nenhum dos dois, mas achei a escrita leve, envolvente e história bem diferente e criativa, mesmo não lendo outros livros do David, o considero um grande nome para a literatura. Acho que ele vem se destacando porque mostra em seus livros uma causa que ele defende.

No entanto... Gostei mais do desenrolar da história do que do final, achei meio aquém, tudo aconteceu muito rápido, e eu fiquei com um sentimento que faltou alguma coisa. Também achei que o tema foi pouco explorado, toda a mágica revelado e a ação no livro meio que surge do nada, até porque o início foca muito no romance do Stephen e da Elizabeth. Mas adorei a construção dos personagens, Stephen é um fofo, Elizabeth é uma garota romântica, mas decidida e de bom coração e o Laurie super carismático e sincero!

"Eu a observo dormir na cama do hospital. Ela está machucada. O cabelo, oleoso e úmido. Tem olheiras e marcas no pescoço. Às vezes, a respiração vem aos trancos. Um fio de baba se esgueira de sua boca.
Nunca a amei mais." (pág 321)
"Não é justo.
Mas a vida não é justa.
Esquecemos rapidamente a lição apenas para aprendê-la novamente." (pág 315)

sexta-feira, 1 de maio de 2015

Book haul + Lidos | Abril

Blog literário que é blog literário tem que ter BOOK HAUL, não é mesmo? Como é a primeira vez que esse termo aparece aqui, vou explicar o que é, embora acho que vocês já devem ter visto muito esse termo nesse universo literário e por isso muitos já sabem o que ele quer dizer. 

Já ouvi dizer que esse termo estrangeiro funciona para os livros que você vai ler em um determinado tempo. Mas na maioria dos blogs/vlogs funciona como uma caixa de correio, ou seja, os recebidos do mês. Eu gostei do meu book haul, recebi livros de parcerias maravilhosas e também fiz umas comprinhas, todas de promoção, já que eu estou tentando economizar um pouco e diminuir o volume dos livros não lidos na minha estante. 

Minha primeira compra do mês, foi o Box da Trilogia "O Teste", da Joelle Charbonneau, publicado pela Editora Gente. (clique aqui para ver o post sobre ele no @umamorlivro)



Mais compras:

I've got your number - Sophie Kinsella
Can you keep a Secret? - Sophie Kinsella




Comprei dois livros em inglês depois de muito pesquisar e pensar. Comprei em loja física mesmo, pois eles, nas lojas virtuais ficavam na mesma faixa de preço e considerando o frete, saia até mais caro. As duas edições são "paperback" e pocket, as capas são bem frágeis, as folhas tem o estilo "de jornal", o que não é ruim, na verdade, esse tipo de papel, é mais leve e comparado as edições econômicas daqui, são mais firmes.

Eu comprei em inglês porque quero melhorar meu vocabulário e treinar minha leitura. Pesquisei comentários sobre eles e falaram que o livro possui um inglês intermediário, é tranquilo de ler. E é a Sophie né? Nada melhor do que treinar o inglês com as histórias hilárias que ela conta. 

Não criei uma meta de leitura esse ano, mas quero ler um livro em inglês por ano, pelo menos.

Essa etiqueta, gente </3

A Americanas foi super gente boa colocando vários títulos da Novo Conceito por 9,90!!!!! Mas eu resisti e comprei só 1 livro. Ele já estava na minha listinha por muito tempo e quando vi que ele estava incluso nessa promoção, comprei! É o "A Livraria 24 horas do Mr. Penumbra". Tanto a capa, quanto a sinopse me conquistaram:
A recessão econômica obriga Clay Jannon, um web-designer desempregado, a aceitar trabalho em uma livraria 24 horas. A livraria do Mr. Penumbra — um homenzinho estranho com cara de gnomo. Tão singular quanto seu proprietário é a livraria onde só um pequeno grupo de clientes aparece. E sempre que aparece é para se enfurnar, junto do proprietário, nos cantos mais obscuros da loja, e apreciar um misterioso conjunto de livros a que Clay Jannon foi proibido de ler.
Mas Jannon é curioso...

 OS RECEBIDOS DO MÊS ( é muito amor) <3



Fiz parcerias maravilhosas esse mês, e além disso, pude conhecer pessoas maravilhosas também, é um grande orgulho e felicidade poder falar sobre a literatura nacional! Você pode conferir mais sobre os autores parceiros do blog aqui!



Sempre foi você - Ana Lemos

Você pode conferir a resenha dele AQUI! "Sempre foi você", é o primeiro livro da trilogia "Amores Traçados". Além da capa que é linda, a história é muito boa, a escrita flui bem e mesmo tendo aquela premissa de um amor mais ardente, ele é leve e mais perto do romantismo, super recomendo para aqueles que gostam de um bom romance! Confiram o site da autora, Ana Lemos.

Labirinto de Espelhos - Bárbara Negrão

Que pessoa linda é a Bárbara! Tão gentil e atenciosa. Eu estou lendo o seu livro, mas já posso adiantar que estou gostando muito e não quero falar muito agora... Aguardem a resenha!! 
Tem post no instagram e váááárias fotos do livro dela!!! 

Um Novo Amanhecer - Cinthia Freire

Já é minha próxima leitura, Um Novo Amanhecer promete ser uma leitura muito emocionante, a Cinthia é um amor e no IG dela tem vários quotes lindos do livro. Confere lá: @cinthia_freire_escritora

Marcadores + bottom FUGITIVOS do autor Carlos H. Barros.

________________________________________________________________

Lidos do mês!

Resenhas: